De uma região cheia de pântano e pouco promissora, Orlando tornou-se a cidade mais visitada pelos brasileiros. E isso tudo se deu por causa de um tal de Walt Disney, um senhor que comprou sigilosamente uma grande área (de pântano, claro) para construir um mundo novo. Um mundo de conta de fadas.

Até a década de 1970, a cidade não era nada turística. Os viajantes só começaram a desembarcar por lá em 1971, quando foi aberto o primeiro parque do império da Disney: o Magic Kingdom. Hoje, a cidade conta com sete dos 20 maiores parques temáticos do mundo.


LEIA MAIS

10 motivos para ir (ou voltar) a Orlando
Tudo sobre a Universal Orlando, nos EUA
Por dentro dos parques da Disney, em Orlando
Conheça o parque da NASA, o Kennedy Space Center


Porém, muito se engana quem acha que Orlando se resume aos parques da Disney. Sim, eles realmente são incríveis e deram forma à cidade, mas tem muito mais a ser explorado por lá. Além de outros parques (temáticos e aquáticos), tem lindas cidades pela região da Flórida que ficam a menos de 2 horas e é possível fazer um bate a volta. Ou então, outras cidades muito procuradas por turistas, como Miami, que fica a 5 horas e pode ser uma opção combinada em uma mesma viagem.

Ou seja, Orlando é a cidade tanto para aqueles que querem apenas diversão e férias, quanto para quem quer mesclar cultura e aventura!

| Visto e Imigração

Tirar o visto americano ainda continua um tanto quanto burocrático, mesmo o país tendo mudado um pouco esse processo nos últimos anos. São diversos passos a serem seguidos: pagar uma taxa, preencher formulário (DS-160), agendar entrega de documentos. Comece entrando no site e fazendo o procedimento.

A boa notícia é que desde meados de 2012, o Consulado Americano mudou uma parte do processo. Foram abertos em várias cidades os Centros de Atendimento ao Solicitante de Visto (CASV), local em que o viajante deve levar a documentação exigida de acordo com o tipo de visto desejado, tirar as impressões digitais e a foto.

Hogsmead, no parque Universal’s Islands of Adventur (Foto: RoadTrio)

Hogsmead, no parque Universal’s Islands of Adventur (Foto: RoadTrio)

O próximo passo é a entrevista. Essa é a etapa mais temida pela maioria, mas não existem mais motivos. A taxa de aprovação no Brasil aumentou muito. E outra, é só manter a calma e entregar tudo o que for necessário.

O visto vale por 10 anos e outro ponto que mudou com o tempo é que o seu passaporte não precisa mais ter validade de 6 meses a partir da data da sua viagem. De acordo com o próprio site da Embaixada dos Estados Unidos, o país possui um acordo com o Brasil pelo qual estendem automaticamente a validade de um passaporte para seis meses além da data de expiração. O Brasil e mais 123 países têm um acordo com os EUA que permite a entrada no país desde que o passaporte tenha validade durante o período da viagem. Então fique atento e não gaste renovação do passaporte à toa.

| Moeda

Nos Estados Unidos a única moeda que é aceita é o dólar americano. Ultimamente, ele tem sofrido uma grande variação. Então uma boa dica é ir comprando aos poucos, assim você não será tão impactado pelos altos e baixos do mercado cambial.

Se você não curte levar dinheiro em espécie, pode ficar tranquilo. Lá todos os cartões são aceitos. Só tome cuidado com o IOF cobrado pelos cartões de crédito.

| Quando ir

Em qualquer época do ano!!! Orlando fica em uma região que não é tão afetada pelo frio e o clima é agradável praticamente o ano inteiro. Claro, no verão (jun/jul) a temperatura sobe bastante e pode passar dos 30ºC facilmente. Já no inverno (dez/jan), os termômetros podem chegar a menos de 10º durante a noite. Por isso, o ideal é levar pelo menos um casaco na mala. Ah, e por conta do frio, em alguns parques você poderá se deparar com alguns brinquedos aquáticos fechados para manutenção.

Canadá no Epcot (Foto: RoadTrio)

Canadá no Epcot (Foto: RoadTrio)

Em relação à lotação dos parques, se você é do tipo que não quer pegar fila de jeito nenhum e não gosta de tumulto, aconselhamos evitar as épocas de férias (dez/jan/jul). Os parques ficam beeem cheios e você irá esperar longas horas em filas, tanto de atrações, como em restaurantes. Alguns parques chegam a ter que fechar as portas por conta da superlotação.

Apesar da mega lotação, o mês de dezembro é vantajoso pela linda decoração dos parques. Com as festas de final de ano, são realizados muitos eventos e shows especiais que valem muito a pena.

Outro ponto a ser considerado é a época de furacões, que vai de junho a novembro. Apesar da região raramente ser afetada, em 2017 praticamente todos os parques ficaram fechados por alguns dias devido à ameaça do furacão Irma. Em Orlando, o estrago foi mínimo e único prejuízo para os turistas foi ter deixado de aproveitar alguns dias de parque.

| Chegando e saindo

Como é um local muito procurado, a oferta de voos para Orlando é muito boa e sempre tem boas promoções. Para quem quiser pegar o avião e ir direto para lá, vai demorar cerca de 8h30 nos voos da Tam, Gol e American Airlines. Porém, esses têm valores mais altos.

Os voos com escala não costumam ser torturantes. Quem vai com a Copa Airlines, faz uma rápida parada no Panamá. A companhia, aliás, vive fazendo promoção nessa rota.

O castelo da Cinderela fica lindo de qualquer jeito (Foto: RoadTrio)

O castelo da Cinderela fica lindo de qualquer jeito (Foto: RoadTrio)

Outra opção que tem saído muito em conta é chegar pelo aeroporto de Tampa, cidade que fica cerca de 130 km de Orlando. De lá, aluga-se um carro e pega a estrada.

Algumas cidades próximas também são boas alternativas. O Miami International Airport está a cerca de 370km de Orlando e o Fort Lauderdale-Hollywood International Airport, a 350km.

| Como se locomover

Sem dúvidas, a melhor forma para conhecer Orlando é alugando um carro. O valor não é tão alto, tanto para o aluguel, quanto para o combustível. O transporte público não é dos melhores e pode deixar você na mão. A verdade é que as atrações estão espalhadas, algumas até em cidades próximas. E se você não alugar um carro, com certeza ficará limitado.

Uma dica é ficar atento aos seguros que eles oferecem. Muitas vezes, o seguro de viagem que você fechou no Brasil, ou até mesmo aqueles que o seu cartão de crédito oferece já é suficiente. Então, caso você alugue um carro, informe-se bem do que você já tem direito pelo seguro de viagem.

Você encontra sorvete do Mickey em todos os parques da Disney (Foto: RoadTrio)

Você encontra sorvete do Mickey em todos os parques da Disney (Foto: RoadTrio)

Outro gasto que você precisa levar em conta na hora de alugar um veículo, além da gasolina, é o estacionamento dos parques. Todos custam USD $20 (valor referente a dezembro/2017).

Claro, o aluguel de carro é uma recomendação nossa, mas tudo depende do estilo de viagem. Caso você fique dentro de um resort da Disney ou da Universal, pagar um taxi ou uber pode ser uma solução melhor.

Outra opção muito utilizada são os transportes oferecidos pelos resorts (sempre se informe na recepção) e transfers que existem em hotéis de rede. Muitos oferecem (às vezes gratuitamente) transfer até os parques. Assim que escolher o seu hotel, se informe se eles fazem esse tipo de serviço, pois normalmente eles têm horário para sair da recepção.

Um sistema também utilizado é o I-Ride Trolley, que são trolleys para circular pela área da International Drive de forma barata. Há duas linhas que te levam a locais como os Premium Outlets, Aquatica, Wet’n Wild, Sea World, além de vários restaurantes e hotéis na International Drive. Eles têm cara de bondinhos e você poderá comprar a passagem a cada viagem, ou por período, que acabam sendo vantajoso pelos descontos.

| Onde se hospedar

Nossa, existe uma infinidade de hospedagem na cidade! O que é muito parecido em quase todos é a estrutura. Os quartos costumam ser bem grandes, apesar de muitos serem antigos e com carpete. Por isso, cheque muito bem os comentários de outros viajantes antes de fechar o lugar.

Entre as regiões mais centrais está a Internacional Drive, que tem grandes hotéis de rede, como Sheraton e o Hilton, ou Lake Buena Vista, que fica bem pertinho dos parques da Disney (eles não ficam no centro de Orlando). Outra opção para quem está nessa pegada de ficar perto das principais atrações, é ficar dentro dos resorts da Disney ou da Universal. Claro, os preços são um pouco mais salgados, mas nada de outro mundo. O bom é que a maioria deles dá a vantagem de entrar uma hora antes dos parques abrirem para o público geral.

Casa que alugamos durante uma de nossas passagens por Orlando (Foto: RoadTrio)

Casa que alugamos durante uma de nossas passagens por Orlando (Foto: RoadTrio)

Para quem não se importa em ficar um pouco afastado do centro, cerca de 30 minutos de carro, e prefere economizar na estadia, o local perfeito é Kissimmee. Essa é uma área tranquila, localizada ao sul de Orlando, a cerca de 20km da I-Drive e 19km de Downtown Disney. Para ficar por ali, aconselhamos, novamente, alugar um carro. Caso contrário, a locomoção sairá muito cara.

Agora, uma outra opção que tem tomado espaço é alugar uma casa no AirBnB. Como ir para Orlando muitas vezes significa viajar em família, essa pode ser uma forma de economizar (e muito) e ainda ter um clima bem mais legal. Nós alugamos uma casa na nossa última temporada na cidade e foi a melhor coisa que fizemos. As casas são grandes e com uma estrutura muito bacana. Porém, precisa ter muita atenção para não ser enganado por fotos falsas e ofertas mentirosas. Nós fizemos uma matéria especial com dicas de como não errar na hora de alugar uma casa pelo AirBnB.

| Onde comer

Essa parte da viagem é um pouco polêmica, pois muitas pessoas alegam que comem mal quando vão para os Estados Unidos, de uma forma geral. Sim, a comida lá é um pouco mais pesada e você inevitavelmente comerá algum tipo de fast-food, mas essas escolhas dependem exclusivamente de você.

Nós amamos comer coisas diferentes quando viajamos, porém, os Estados Unidos é a terra do hambúrguer, então não tem como não aproveitar os cardápios mais gordinhos. Porém, se você se planejar, você comerá muito bem, inclusive dentro dos parques.

As opções são inúmeras, fast foods, italiana, japonesa, chinesas e até brasileira. Tem para todos os gostos e, principalmente, bolsos. Se você não tem um local favorito, vá para a International Drive, que é uma avenida centraliza e com muitas opções de lugar para comer. Lá você poderá andar com o carro e explorar o que tem de melhor para o seu gosto do dia.

Não tem como fugir dos deliciosos hambúrgueres (Foto: RoadTrio)

Não tem como fugir dos deliciosos hambúrgueres (Foto: RoadTrio)

Agora, separamos alguns restaurantes que gostamos muito por lá e que vale investir. Sinceramente, lá dificilmente você gastará mais do que USD $ 50 para um jantar. Isso considerando uma refeição completíssima com entrada, prato, sobremesa e bebidas alcoólicas. E em um restaurante bem legal!

Vamos começar pelo nosso favorito, o Red Lobster. Sim, ele é meio cliché, mas o cardápio atende qualquer tipo de paladar – eles têm uma margarita divina e você come muito. Tem pratos individuais que você consegue até dividir. Esse lugar é ideal para comer frutos do mar e lagostas, que são maravilhosas! Tem em diversos localizações por Orlando, basta colocar o nome no Waze.

Outro muito procurado pelo brasileiros – e que nós adoramos – é o Olive Garden. Lá você pode degustar diferentes pratos da culinária italiana, então uma boa pedida talvez seja pegar as pequenas porções.

Uma parada mais do que obrigatória para quem gosta e comer bem e apreciar uma deliciosa sobremesa é a Cheesecake Factory. Diferentemente do que muitos imaginam, eles servem mais do que o emblemático cheesecake. Esse é simplesmente sem palavras! Mas eles têm massas, sanduíches, frangos… muitas opções.

Outros dois locais muito famosos para jantar são o Disney Springs (área de entretenimento da Disney e que não exige ingressos) e Universal CityWalk, que tem vários restaurantes e bares. No primeiro, tem muitas opções, mas a nossa preferida é o Planet Hollywood. O restaurante é bem conhecido e tem pratos deliciosos. A nossa dica é o hambúrguer Prime Time American Kobe. Nossa, dá até água na boca de lembrar! E o melhor é comer ao som de muito rock.

Já no CityWalk tem o HardRock Café, um dos restaurantes mais badalados de Orlando. Provavelmente você terá que enfrentar uma fila para comer um dos melhores hambúrgueres ou então uma costelinha saborosa. E no Bubba Gump Shrimp Co., os carros-chefe são os pratos com camarão, que realmente são sensacionais. Mas você encontra outros frutos do mar e até hambúrguer. Nós contamos um pouco sobre essa região na matéria especial sobre os parques da Universal Orlando.

Explore mais os restaurantes e as docerias de Orlando (Foto: RoadTrio)

Explore mais os restaurantes e as docerias de Orlando (Foto: RoadTrio)

Se você é adepto de fast food e muita economia, tem muita opção. Mas em vez de comer um McDonalds’ tradicional, aposte no que fica na International Drive. Lá é considerado o maior Mc temático do mundo. Tem também o KFC e Taco Bell. Mas se quer uma dica muito especial, vá ao Shake Shack! Ele é um fast food criado em NYC, mas que tem algo diferente. O preço é como nos outros restaurantes, mas o sabor é muito diferente. Vale a pena!

Se quiser investir no café da manhã, entre em qualquer diner que aparecer na frente. Diners são restaurantes que servem de tudo, principalmente aquelas comidas deliciosas de café da manhã, a qualquer hora do dia! Um muito famoso por lá é o IHOP.

Agora, se você aceitar nossa sugestão de alugar uma casa, dá pra economizar muito cozinhando seu próprio jantar. Grandes supermercados como o Walmart Costco estão em todo lugar, têm de tudo por um preço inacreditavelmente baixo. Publix, Target e Whole Foods também são boas opções. Quem busca algo mais refinado, pode fazer compras no Trader Joe’s, que só trabalha com pequenos produtores e tem uma oferta infinita de produtos orgânicos e bem saudáveis.

Esses são apenas alguns para você começar a viagem gastronômica! Mas fique atento ao horário, pois tudo fecha meio cedo. Não deixe para ir jantar depois das 22h.

| O que fazer

Bom, atividade é o que não vai faltar! A cidade de Orlando é conhecida como um parque de diversões a céu aberto. E, o melhor, é se você cansar de tudo isso, dá para pegar o carro e ir até uma cidade diferente e se divertir.

Separamos as principais atrações da cidade, mas lembre-se que ela está em constante atualização e sempre tem algo novo para fazer e conhecer.

Parques e regiões

Para começar, já coloque em seu roteiro os 4 parques temáticos da Disney e os 3 da Universal Orlando. De uma forma geral, os parques da Disney são mais mágicos, sem brinquedos com grandes emoções. E os da Universal Orlando são focados nas grandes produções do cinema e super heróis. É lá que estão os brinquedos do Harry Potter.

Tem também o SeaWorld e o Busch Gardens, que falamos um pouco mais nessa matéria especial com o resumo dos principais parques. Para quem estiver com criança, dedique um tempo para visitar o Legoland, um parque da Lego, cheio de atividades.

O Beco Diagonal é a nova área do Harry Potter na Universal Studios Florida (Foto: RoadTrio)

O Beco Diagonal é a nova área do Harry Potter na Universal Studios Florida (Foto: RoadTrio)

Na International Drive tem o Wonder Works, uma casa de cabeça para baixo que tem atividades interativas com jogos e atrações que brincam com a mente. Lá também está a Orlando Eye, uma roda-gigante panorâmica que oferece uma linda vista da cidade. Se ainda assim você quiser mais emoção, pode explorar o iFly, um local para fazer um voo indoor, que simula a descida de paraquedas.

Para finalizar as principais (não tem como falarmos todas da cidade) atrações, vá até o centro da cidade, Downtown Orlando, onde está a Amway Center, o estádio do Orlando Magic, time da NBA da cidade. Vale a pena conferir se vai rolar algum jogo enquanto estiver pela cidade.

Compras

Não adianta fugir. Em Orlando, é inevitável parar para fazer algumas comprinhas. Entre os locais mais disputados estão os Outlets Premium e o Vineland. No geral, lá você vai encontrar grandes marcas com bons preços, mas isso não é regra. É preciso pesquisar o que vale ou não a pena. Uma dica é ir atrás das promoções “compre um, leve dois”.

Os brasileiros também adoram, e com razão, as lojas de departamento, como a Ross e a TJ Maxx. Elas são lojas com uma variedade absurda de roupas, e todas muito baratas. O único ponto negativo é a bagunça. Como o negócio é fuçar as araras, no fim do dia as lojas estão um verdadeiro caos. O ideal é chegar entre 8h e 9h, logo que as portas abrem. Assim, as gôndolas ainda estão um pouco arrumadas.

(Foto: PxHere)

(Foto: PxHere)

Bom, eletrônicos não tem nem o que falar. Vá direto para uma Best Buy. Tem muitas opções pela cidade, algumas até com atendimento em português! Mas uma boa opção, caso você já tenha certeza do que quer comprar, é comprar on-line e retirar na loja, ou até mesmo pelo Amazon. Como Orlando vive cheia, muita coisa acaba no estoque das lojas.

Ainda tem opção de fazer compras nos shoppings. Nós só recorremos a esses locais quando realmente não achamos o que queríamos nas lojas de outlet ou multimarcas. As melhores opções são Florida Mall e o Mall at Millenia.

E, por últimos, mas não menos importante o Walmart e o Walgreens! Ótimos locais para comprar cosméticos, produto de beleza e higiene, e bugigangas. Ah, falando em bugiganga, tem a Dollar Tree, em que tudo custa US$1. Faça a festa, mas não espere produtos de qualidade!

Outras cidades

Sempre que vamos viajar, gostamos de conhecer além do tradicional. Por isso, separamos alguns dias a mais para visitar cidades que ainda não conhecíamos – e são demais! – na Flórida. Entre elas está Saint Augustine, que fica a menos e 2 horas de Orlando e é a cidade mais antiga dos EUA. Durante a nossa viagem, dedicamos um dia todo para Saint Augustine, mas ainda assim foi muito pouco.

Flagler College, em Saint Augustine (Foto: RoadTrio)

Flagler College, em Saint Augustine (Foto: RoadTrio)

A cidade é linda e cheia de história. Foi fundada em 1565 pelos espanhóis e, por isso mesmo, você vai perceber que a arquitetura tem muita influência do país. Um dos lugares que mais gostamos foi o Flagler College, primeiro prédio do país a ter luz elétrica, instalada pelo próprio Thomas Edison. Ele foi construído para ser um resort de luxo, em 1888, e hoje é uma universidade.

Outra cidadezinha que visitamos foi Williston. A quase uma hora e meia de Orlando, está uma das atrações naturais mais antigas da América do Norte. Ainda pouco conhecido, Devil’s Den Spring tem entrado no roteiro de alguns viajantes que procuram locais para mergulhar. Como adoramos fazer snorkel, não perdemos tempo.

Devil’s Den Spring (Foto: RoadTrio)

Devil’s Den Spring (Foto: RoadTrio)

O local é uma caverna subterrânea com água clara, limpa e muito gelada, que abrigava fósseis de animais já extintos. Hoje, você poderá ver tartarugas e muitos peixes. Quem mergulha com cilíndro pode ir além da piscina principal, entrar em várias galerias e aproveitar ainda mais. Para alugar o equipamento de mergulho com cilindro são US$ 40, mais a entrada de US$ 38. Caso você queira entrar com snorkel (não existe a opção sem um equipamento de mergulho) paga-se apenas US$ 25.

Para quem curte praia, também tem essa opção. Entre Orlando e Saint Augustine, tem Daytona Beach, Clearwater e Cocoa Beach. Perto dessa última praia está o Kennedy Space Center, que é o porto espacial de lançamento de foguetes da NASA localizado no Cabo Canaveral, na Ilha Merritt. Confira uma matéria sobre o local.

Kennedy Space Center (Foto: RoadTrio)

Kennedy Space Center (Foto: RoadTrio)

Para um passeio mais tranquilo e ligado a natureza, tem Winter Park, que fica a 30 minutos de Orlando. Lá tem alguns parques e um passeio de barco bem recomendado para se fazer.

Informações Gerais

Sitehttp://www.visitorlando.com/
País: Estados unidos
Moeda: dólar americano (a cotação pode variar, mas fica em torno de R$ 3,30 e R$ 3,45 – valores em novembro 2017)
DDI dos EUA + Orlando: + 1 (407)
Voltagem: 110V/60Hz
Tomada: dois pinos chatos ou, às vezes, dois pinos chatos e um pino redondo
Vacina: não são necessárias
Fuso horário: UTC -1
Carteira de motorista: a CNH brasileira é permitida
Língua: inglês
Gorjetas: não são obrigatórias, mesmo em bares e restaurantes. Porém, eles costumam deixar 20%

*O RoadTrio visitou os parques temáticos com o apoio da Flytour Viagens, uma das maiores companhias do setor de turismo do Brasil. E, para nos manter sempre conectados, viajamos com a parceria da SkillSIM Mobile, operadora de celular.

 

Sobre o autor

Em 2011, a jornalista morou na Europa, onde foi travel-writer para o Guia Criativo para O Viajante Independente na Europa. De volta ao Brasil, não quer se limitar às paredes de um escritório e fez do seu hobby uma nova profissão.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.