Intercâmbio ajuda a superar a barreira do novo idioma

(Foto: Pxhere)

(Foto: Pxhere)

Falar um segundo idioma é fundamental no mundo globalizado. Segundo pesquisa da Page Personnal, empresa mundial de recrutamento, em 10 anos o inglês deixará de ser um diferencial para ser um requisito básico para colocação no mercado de trabalho, mas esse ainda é um obstáculo para muitas pessoas. Como superar essa barreira?


LEIA MAIS

14 motivos para passar uma temporada em outro país
15 coisas que mudam quando você muda de país
Síndrome do regresso: a “deprê” pós intercâmbio
Boas razões para você viajar sozinho


Uma das melhores maneiras de ganhar fluência em uma nova língua é justamente encarar o medo de frente e passar um período estudando no exterior. Nós, do RoadTrio já falamos sobre isso na matéria 14 motivos para passar uma temporada em outro país. 

CI Intercâmbio e Viagem também explica como essa experiência pode agilizar o processo de aprendizagem, e mostra que o viajante não precisa se preocupar em não saber o idioma no começo da viagem.

“No intercâmbio, o estudante estará em contato com um novo idioma 24 horas por dia e terá mais facilidade para desenvolvê-lo. Uma dica valiosa é: não se preocupar com os erros de pronúncia cometidos, não ter vergonha de pedir para repetir ou falar mais devagar quando não entender. O importante é exercitar bastante o que se aprende nas aulas”, afirma Luiza Vianna, gerente de produtos da CI.

(Foto: Divulgação)

(Foto: Divulgação)

A intercambista Maiani Estevão, de 21 anos, fez um curso de inglês em Malta, e lembra que até escolher o jantar se tornava um incentivo para aprender mais. “Um dia fui em um restaurante Maltês com uma amiga e escolhi no cardápio um prato que não fazia ideia de qual era a tradução em português, e ela, sendo holandesa, tentava me explicar o que era. Só descobri depois quando cheguei em casa”.

Ficar em uma casa de família é uma opção mais econômica que fará com que o intercambista pratique o idioma com os seus anfitriões ao mesmo tempo em que compartilha o estilo de vida da casa nativa. “Todo o ambiente em que estará inserido vai estimular o estudante. O cardápio do restaurante, a programação na TV, os colegas do curso de diversas nacionalidades, a imersão é a melhor forma de se acostumar a ler, escrever, e melhorar sua pronúncia”, acrescenta a Luiza.

Ao chegar no exterior, o intercambista não precisará se preocupar com o seu nível do idioma. “Os alunos, assim que chegam, conversam com o responsável da escola para avaliar o nível de conhecimento que possui da língua e será direcionado para a sala mais adequada. As escolas estão preparadas para atender as necessidades de cada estudante”, completa Luiza Viana.

A intercâmbista Maiani destaca que o intercâmbio a impulsionou para um aprendizado mais rápido e prático do idioma. “Quando eu fui para Malta sabia que tinha o inglês muito pobre, mesmo assim consegui pedir informações para pessoas na rua de como chegar a escola, lanchar e fazer amigos. Hoje, meu inglês está muito melhor e me sinto confiante para conversar por horas em inglês sem timidez ou dificuldade alguma, e isso tudo aconteceu em menos de 2 anos graças ao meu intercâmbio”, completa a viajante CI.

*Com informações da Assessoria de Imprensa

Sobre o autor

Somos três amigos que compartilham o sonho de conhecer os quatro cantos do mundo. Da vontade de explorar diferentes lugares e da busca constante por novas experiências, surgiu o RoadTrio: um site que reúne informações, dicas e notícias do que não se pode perder por aí e é essencial para qualquer viajante.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.