Para muitas pessoas, viajar pela Irlanda e Irlanda do Norte é sinônimo de conhecer paisagens naturais, casinhas de interior e ovelhas por todos os lados. Realmente esse é o tipo de paisagem mais frequente pelas estradas desses dois países. Mas o que muitos turistas não sabem ou até esquecem, é que a região tem uma história marcada por grandes conflitos e algumas das principais atrações estão nas ruas das grandes cidades.


LEIA MAIS

Montserrat: um bate-volta no centro da Catalunha
Cinco lugares para ver Paris do alto
Giethoorn, a cidade holandesa sem ruas
O melhor da noite em Budapeste, na Hungria


É o caso de Belfast, capital da Irlanda do Norte. Se estiver pela ilha esmeralda, não deixe de passar pelo menos dois dias na cidade. O local se tornou capital do país quando a Irlanda se dividiu em duas, em 1920. Foi nessa época que ocorreu uma longa guerra política e religiosa entre protestantes a favor do Reino Unido e católicos separatistas. Depois de anos sangrentos, os cidadãos tentam levar uma vida normal, mas as marcas dessa disputa ainda estão por toda parte.

Por todas as partes é possível ver traços da guerra entre católicos e protestantes (Foto: RoadTrio)

Por todas as partes é possível ver traços da guerra entre católicos e protestantes (Foto: RoadTrio)

Apesar de ser marcada e conhecida pelos conflitos, Belfast tem atrações para todos os gostos. O RoadTrio conferiu os principais passeios da cidade e fez uma lista de locais para você aproveitar.

| Arte e guerra se misturam

Um pouco afastado do centro histórico, a região de Falls Rd (lar de católicos) e Shankill Rd (protestantes) foi palco de grandes confrontos entre os religiosos. No final dos anos 1960, os problemas religiosos/políticos se agravaram tanto a ponto de o exército britânico intervir nas ruas. Foi nesse período que a cidade viveu momentos de muita violência com imagens chocantes de atentados terroristas.

Os portões que dividem a cidade abrem durante o dia e fecham à noite (Foto: RoadTrio)

Os portões que dividem a cidade abrem durante o dia e fecham à noite (Foto: RoadTrio)

Apesar de atualmente ser uma região pacífica, não é aconselhável ir a pé ou sozinho. O ideal é pegar um ônibus de turismo (os famosos Hop On Hop Off) ou um black taxi – que normalmente fecham um valor para fazer tour em determinadas partes da cidade.

Até o Dalai Lama já deixou sua mensagem nos muros da Peace Lines (Foto: RoadTrio)

Até o Dalai Lama já deixou sua mensagem nos muros da Peace Lines (Foto: RoadTrio)

O passeio deve incluir uma visita ao chamado Wall Murals. Lá foram construídos portões e uma espécie de muro que tinham a função de separar parcialmente católicos e protestantes. Ainda hoje é possível ver fragmentos dessa época: os portões continuam lá, abertos durante o dia e fechados ao entardecer. Parte dessa história estão nos muros que dividiam a cidade, conhecidos como Peace Lines (Linhas da Paz), que têm até 4 quilômetros de extensão e se tornaram uma galeria de arte a céu aberto. No local, diversas pessoas, entre artistas e personalidades como Dalai Lama, deixaram registradas suas mensagens de paz e esperança.

| Maior navio da história

Outro personagem importante na história da cidade é o Titanic, o transatlântico mais famoso do mundo. Apesar de sua viagem inaugural ter partido da Inglaterra, o navio foi construído em Belfast. O Titanic é tão querido por lá que ganhou não apenas um museu, mas um quarteirão inteiro destinado a ele, chamado de Titanic Quarter.

Esse complexo abriga o estaleiro onde o transatlântico nasceu e o museu Titanic Belfast, inaugurado em 2012. O museu tem uma arquitetura impressionante e interessante: o formato lembra o casco do Titanic, mas um revestimento diferente faz referência ao iceberg que o transatlântico colidiu.

O museu Titanic fica no exato local onde o navio foi construído (Foto: RoadTrio)

O museu Titanic fica no exato local onde o navio foi construído (Foto: RoadTrio)

Uma curiosidade é que o prédio tem a mesma capacidade para visitantes que o navio tinha para passageiros: 2 mil pessoas. Entre e aproveite cada uma das nove galerias do museu, que contam a sua história de forma cronológica. A exposição é super interativa e você irá perder horas lá dentro.

A visita começa mostrando a cidade na época em que o navio foi construído. Depois parte para a história da própria embarcação. Para dar a dimensão do projeto, uma espécie de montanha-russa explora uma réplica do Titanic no período de sua construção. Já a terceira galeria é dedicada ao lançamento do barco e segue para a parte da mobília, onde é possível ver como eram os quartos de todas as classes. A quinta traz histórias sobre sua única viagem e, finalmente, o naufrágio com as primeiras e últimas mensagens de socorro emitidas pelo capitão. As três últimas galerias abordam os dias seguintes à tragédia.

O prédio lembra o casco do navio, já a textura faz referência a um iceberg (Foto: RoadTrio)

O prédio lembra o casco do navio, já a textura faz referência a um iceberg (Foto: RoadTrio)

Continuando a volta no quarteirão, você encontrará os estaleiros Harland & Wolff – responsável pela construção – e seus guindastes amarelos, Sansão e Golias. Existe também uma trilha sinalizada com placas para conhecer mais a região. Vá ao Centro de Informação ao Turista e pegue um audioguia para caminhar pela Titanic Trail. Se ainda assim sua curiosidade pelo navio não estiver saciada, pegue um barco da companhia Lagan e faça o Titanic Tour.

| Winter is coming

Recentemente, a cidade foi invadida pelos turistas que são apaixonados pela série Game of Thrones. Ambientado em uma época fictícia, o seriado é filmado em diversos países, mas a Irlanda do Norte é sem dúvidas uma das principais locações. Saindo de Belfast, é possível pegar um ônibus de turismo que irá te levar para locais que qualquer fã reconhece facilmente. O Castelo Ward, localizado ao sul de Belfast, é mais conhecido como Winterfell. Para percorrer os caminhos da família Stark, por exemplo, vá para a região de Downpatrick. Veja aqui mais informações dos tours.

Fãs de Game of Thrones podem visitar Winterfell (Foto: Reprodução/site)

Fãs de Game of Thrones podem visitar Winterfell (Foto: Reprodução/site)

| Locomoção

A cidade é tão pequena que os principais pontos turísticos podem ser conhecidos caminhando. Além de ser a forma mais barata, sempre é possível desviar a rota e conhecer outros cantinhos interessantes. Para os que preferem o transporte público, Belfast tem ônibus com tickets variando de acordo com a distância a ser percorrida ou ticket de um dia inteiro. Outra opção utilizada pelos turistas é o famoso ônibus para turista, chamado de City Sightseeing Belfast Hop On Hop Off.

O ônibus Hop On Hop Off é uma boa opção para conhecer a cidade (Foto: RoadTrio)

O ônibus Hop On Hop Off é uma boa opção para conhecer a cidade (Foto: RoadTrio)

Um pouco mais inusitado, mas comum no país, são os Black Taxi Tours. Os taxis correm diariamente, basta ligar para agendar um horário. O tour pelos principais pontos históricos leva normalmente 90 minutos. Existem duas opções mais confiáveis: o Official Black Taxi Tours ou o Original Belfast Black Taxi Tours (taxitours@live.co.uk).

| Onde comer

A cidade é repleta de restaurantes e pubs que servem deliciosos pratos. Entre os mais tradicionais, assim como em toda a Irlanda, está o Fish and Chips (peixe com fritas). Essa, aliás, pode ser uma boa opção para gastar pouco e conhecer a culinária da região. Se quiser ter diversas opções, vá próximo ao City Hall (prefeitura da cidade), onde se encontram ruelas com restaurantes requintados. Já os mais baratos ficam próximos à Queen’s University, também no centro.

(Foto: RoadTrio)

(Foto: RoadTrio)

Sobre o autor

Em 2011, a jornalista morou na Europa, onde foi travel-writer para o Guia Criativo para O Viajante Independente na Europa. De volta ao Brasil, não quer se limitar às paredes de um escritório e fez do seu hobby uma nova profissão.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.