Como se não bastasse escolher os países, as cidades, as atrações e os hotéis, outro ponto que deve estar no check list de um bom viajante é o meio de transporte que o levará de um lugar ao outro. A Europa é muito grande e os turistas querem ir de Amsterdam a Atenas sem perder seu precioso tempo. O jeito é pesquisar a melhor opção para cada lugar que quer visitar. Aliás, pode acontecer do seu roteiro pedir os dois meios de transporte. Por que não?

O tipo de transporte depende também do estilo e do bolso do viajante. No trem, por exemplo, é possível ver locais lindos pela janela, mas as viagens mais longas podem cansar alguns. Já o avião, apesar da viagem ser rápida, tem toda aquela burocracia de check in, embarque, pegar malas. Dito isso, vamos aos prós e contras.

Avião: pelas alturas só se for longe

Se a sua viagem é muito longa e seria necessário trocar de trem diversas vezes, vale a pena investir em uma passagem de avião. As passagens aéreas são super baratas quando compradas com antecedência e em companhias low cost, como RyanAir e EasyJet. Porém, quase sempre os aeroportos que decolam e pousam esses aviões ficam longe do centro da cidade e é preciso pegar um transfer ou um táxi para chegar de vez ao destino. Ou seja, nem sempre o avião economizará dinheiro e tempo. Por isso, é preciso analisar com muito cuidado.

Trem: à moda antiga principalmente para cidades próximas

Para o viajante que adora conhecer os costumes da região (no caso do continente), e quer ver paisagens imperdíveis pelo solo, essa é uma boa opção. Para viagens curtas, dentro de um mesmo país, sem dúvida é a melhor escolha. Quando se viaja de Florença a Veneza, por exemplo, gasta-se pouquíssimo dinheiro e você pode chegar na estação até 10 minutos antes do trem partir. Ou seja, economia total. Viajando por trilhos, você sai e chega pelo centro da cidade. Além de não precisar despachar sua bagagem, os trens têm a garantia da pontualidade. Por isso, nem pense em atrasar 1 minuto.

Para economizar tempo nos percursos mais longos, considere viajar de trem durante a noite. Normalmente as cabines de trens noturnos são mais confortáveis do que as demais. Ainda, é possível reservar cabines com leito. Só não espere um quarto particular com uma cama deliciosa. Para essa opção, além do passe tradicional, é preciso reservar e pagar uma taxa a mais para trocar a poltrona por um leito. Para alguns, as viagens mais longas são maçantes e não vale a pena economizar no hotel para dormir no trem. Mas, se você não se importar, a experiência é interessante: economiza tempo, dinheiro e o balanço do trem até ajuda a pegar no sono.

Outro ponto importante para os adeptos ao trem, é lembrar que esse transporte está começando a ser instinto na Europa. Os trechos menores continuam, mas alguns trajetos longos (principalmente os noturnos) foram deletados de vez dos itinerários das companhias. Por isso, verifique antes de ir até a rodoviária para comprar ou reservar a passagem.

Conclusão: o avião é mais prático quando a outra opção é o trem noturno, ou quando se tem pressa para chegar em um destino muito longe. Fora isso, dificilmente voar será a melhor escolha. Por mais que sejam companhias mais baratas, a burocracia é a mesma.

 

Sobre o autor

Em 2011, a jornalista morou na Europa, onde foi travel-writer para o Guia Criativo para O Viajante Independente na Europa. De volta ao Brasil, não quer se limitar às paredes de um escritório e fez do seu hobby uma nova profissão.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.