Ir para Quebec foi uma surpresa bem agradável. Estávamos planejando uma viagem pelo Estados Unidos e surgiu uma promoção para o país vizinho. Quando pensamos em embarcar para essas terras tão geladas do Canadá, nem imaginávamos o quanto seria maravilhoso. A Cidade de Quebec é a capital da província do Quebec, localizada no leste do Canadá e é uma das cidades mais antigas da América do Norte.


LEIA TAMBÉM

Hotel des Coutellier: charme e conforto em Quebec
50 lugares no mundo para ver o pôr do sol
40 praias do Caribe que vão te fazer querer viajar agora
Descubra quais são os 20 menores países do mundo


Fundada em 1608, Quebec é bem peculiar. Nem parece que você está no Canadá. Por ter sido colonizada por franceses, ela tem um charme e arquitetura europeia. Inclusive, dizem que é a cidade mais européia fora do continente europeu. Ela cresceu em cima de um penhasco, região que hoje é conhecida como Cidade Velha (Vieux-Québec ou Old Quebec), e ainda tem um muro de 5 km construído há anos para proteger a cidade dos ataques. Essa região, que é dividida em cidade alta e cidade baixa, é uma área histórica reconhecida como patrimônio mundial da UNESCO. Ainda por conta da influência francesa, praticamente toda a província de Quebec usa o francês como língua principal. Até mesmo nos centros urbanos é difícil encontrar alguém que fale inglês com fluência.

Explore a cidade, pois ela tem lugares quase escondidos e maravilhosos (Foto: RoadTrio)

Além disso, é na cidade de Quebec que está localizada a rua mais linda do Canadá, a Petit Chaplain. Ela fica na cidade baixa e trata-se, na verdade, de um quarteirão com ruas estreitas e cheias de lojas. O charme está por todo o lugar, acredite. A cidade antiga é o cartão postal de Quebec!

| Visto e imigração

Desde 1º de maio de 2017, o visto canadense ficou um pouco mais fácil para nós, brasileiros. Quem viajou para o país nos últimos 10 anos ou que tenha visto americano válido e desembarque no Canadá por via aérea pode conseguir isenção de visto canadense. Ainda assim é preciso preencher uma autorização de viagem, o eTA (eletronic Travel Authorization), que pode ser obtido pela internet e custa CAD$ 7, via cartão de crédito ou débito.

Apesar do documento ser muito rápido de ser emitido, pode ocorrer a solicitação de documentos suplementares. Por isso, assim marcar a sua viagem, já faça essa solicitação no site do consulado. Ele é válido por 5 anos, enquanto o seu passaporte estiver válido. Caso você emita outro passaporte, será necessário tirar um novo eTA, mesmo que o seu visto americano continue válido.

Lembre-se, o eTA vale apenas se você for entrar no país por via aérea. Caso você não tenha visto americano, visto canadense nos últimos 10 anos, e for chegar ao Canadá de carro, ônibus, trem ou navio, você precisa tirar o visto canadense convencional. Uma dica é que se você não tiver visto americano e pretende viajar para o Canadá, vale mais a pena investir solicitando o visto americano.

| Moeda

No Canadá, a moeda utilizada é o dólar canadense. A cotação pode variar, mas durante a nossa viagem (novembro/2017) os valores estavam em torno de R$ 2,60 e R$ 2,80. Porém, os principais cartões de crédito podem ser utilizados no país.

| Quando ir

Qualquer época do ano! Somos um pouco contra estabelecer épocas certas para ir aos locais. A não ser que isso impacte em segurança e visibilidade das atrações. Quebec é aquele tipo de lugar em que você pode ir em todas épocas do ano e sempre verá uma nova cidade. Durante o verão, ela é tomada por atividades ao ar livre e festivais (os canadenses valorizam muito cada minuto de sol!). Já no inverno, quando fomos, a neve dá uma outra cara à cidade e o frio vai fazer você aproveitar mais os museus e restaurantes. Nós fomos em dezembro e adoramos!

Explore a cidade, pois ela tem lugares quase escondidos e maravilhosos (Foto: RoadTrio)

Explore a cidade, pois ela tem lugares quase escondidos e maravilhosos (Foto: RoadTrio)

A cidade tem temperatura média anual de 4ºC, ou seja, o inverno é bem rigoroso. Durante essa estação (dezembro a março), os termômetros podem chegar a atingir 40ºC negativos. Isso é bem raro, mas vale saber antes de comprar a passagem. Se você não curte frio, esqueça. Será um pouco sofrido passar uns dias por lá. Além disso, os dias são mais curtos. O sol dá as caras lá pelas 8h da manhã e se despede antes mesmo das 16h.

Já no verão (maio a setembro), os dias são mais longos e as temperaturas  podem passar dos 35ºC. Claro, devido ao calor, que dura pouco, a cidade torna-se mais viva e as atividades ao ar livre ganham forma. Consequentemente, o turismo torna-se mais caro.

Se quiser evitar a alta temporada e aquele clima insuportavelmente frio, escolha a primavera ou outono. Mas uma dica de quem não está acostumado a ver a neve: o inverno tem um charme inigualável!

| Chegando e saindo

Não há voos diretos entre o Brasil e a Quebec, por isso é necessário realizar ao menos uma conexão para chegar ao destino final. No nosso caso, paramos na Cidade do México e em Toronto (onde realizamos a imigração). O Québec City Jean Lesage International Airport é o aeroporto que serve a cidade e está localizado a cerca de 17 km do centro, na parte antiga de Quebec.

Quando a cidade amanhece com neve, fica ainda mais linda (Foto: RoadTrio)

Quando a cidade amanhece com neve, fica ainda mais linda (Foto: RoadTrio)

Se você já estiver em território canadense, poderá usar as companhias aéreas locais para voos domésticos como a Air Canada, Porter e West Jet . Você também pode chegar à cidade por via terrestre com os trens, ônibus e viagens em carros alugados. Para trens e ônibus a estação é a Gare du Palais, que fica localizada na cidade baixa de Quebec. Consulte o site da VIA Rail para saber mais sobre as passagens de trem. Uma opção às vezes mais em conta são os ônibus que fazem viagens com o mesmo tempo de duração dos trens, mas têm mais opções de horários e um valor um pouco melhor. Para comprar passagens de ônibus, consulte o site da Orléans Express.

Já quem escolhe chegar de carro, vai enfrentar 250 km de estradas a partir de Montreal, ou 800 km desde Toronto.

| Como se locomover

Quando se chega à cidade via aérea, a primeira coisa que você precisa saber é como sair do aeroporto. As opções são os táxis, Uber, ônibus públicos ou carro alugado. Claro, ônibus é a maneira mais barata, mas talvez a mais complicada. Caso você esteja em Old Quebec, precisará fazer baldeação, pois não tem ônibus direto. A linha que passa no aeroporto é a #78, que vai até o terminal de ônibus Les Saules, mas ela pode não funcionar no fim de semana.

Caso você queira mais praticidade, pegue um táxi ou uber. Nós escolhemos a segunda opção, pois o valor é mais baixo. O trajeto entre o aeroporto e o centro custa em torno de CAD $23, cerca de CAD $10 mais barato que o táxi. Ambos levam uns 30 minutos. Chegando ao centro, está na hora de bater perna e explorar cada cantinho. Como nós adoramos caminhar, pois acreditamos ser a melhor forma de conhecer a cidade, indicamos que você também faça quase tudo a pé. Pelo menos toda a região central. Claro, no inverno o passeio pode ser congelante, mas nada que uma parada ou outra para tomar café não resolva.

A avenida Grand Allé é uma das principais da cidade (Foto: RoadTrio)

A avenida Grand Allé é uma das principais da cidade (Foto: RoadTrio)

A maioria das atrações (ou as melhores) estão em Old Quebec, que é sua parte mais antiga. A área é pequena e deve ser explorada sem correria. Apesar de compacta, ela não é 100% plana, o que pode exigir um certo esforço, como subir escadarias.

Caso queira ir da cidade alta para a baixa, tem a opção de um funicular como transporte (CAD $3) ou fazer a subida pela ladeira da rua Côte de la Montagne. Para ir aos locais mais longes, como o Parc de la Chute-Montmorency, é aconselhável pegar ônibus ou táxis.

As viagens de ônibus custam CAD $3.50 em dinheiro e você tem direito de fazer transferências entre ônibus por até 2 horas a partir da primeira viagem. O pagamento é feito assim que você entrar no  veículo, mas tenha o dinheiro exato, pois não há troco. Sempre guarde o recibo! Se você se programou para fazer muitas viagens de ônibus, pode valer a pena comprar tickets específicos. Veja mais informações sobre os ônibus aqui.

Para quem não curte uma caminhada e prefere o conforto de um carro, a opção seria usar táxi/uber. Mesmo com o frio extremo do inverno, acreditamos que alugar um carro para rodar por Quebec é bastante desnecessário.

| Onde se hospedar

Quebec é grande, mas as atrações turísticas estão bem concentradas. Por isso, uma boa opção é ficar hospedado na cidade antiga (Vieux-Quebec – Old Quebec). Se você ficar por lá, poderá fazer tudo a pé ou de bicicleta. Mas, como em todos os lugares do mundo, a região central é uma das mais caras para se hospedar.

A parte antiga está dividida em cidade alta (Upper Town – Haute-Ville) e cidade baixa (Lower Town – Basse-Ville). A cidade alta é mais bonita, mas a baixa tem fácil acesso ao transporte público e uma distância super curta da cidade alta. Nós ficamos hospedados no Hotel des Coutellier, localizado na cidade baixa, na Rue Saint-Paul, famosa pelos restaurantes. O hotel fica praticamente em frente ao Marché du Vieux-Port, um mercado de comidas locais, e a 5 minutos dos principais pontos turísticos (confira como foi a nossa estadia no local).

O Hotel des Coutellier é uma ótima opção de conforme, charme e praticidade (Foto: RoadTrio)

O Hotel des Coutellier é uma ótima opção de conforme, charme e praticidade (Foto: RoadTrio)

Nós adoramos a localização e com certeza voltaríamos a ficar por lá. Ele é um hotel bem local, que costuma receber brasileiros. Assim como muitas hospedagens da região, ele não é grande, o que traz um ar de aconchego. A melhor parte é que o café da manhã é servido no quarto e o staff tem um bom conhecimento da cidade (as dicas que eles nos deram foram ótimas!).

Se o custo for algo primordial, escolha um hotel afastado dessa região, mas saiba que será necessário utilizar ônibus ou outro meio de transporte para ir aos principais pontos turísticos. Coloque isso na sua conta! Nós ficamos uma noite em uma hotel próximo ao aeroporto. O legal é que você tem a oportunidade de conhecer a cidade sem turistas, com um clima mais local. Na Boulevard Hochelaga, tem algumas opções como Travelodge. Ali perto, tem um shopping e alguns centros comerciais. É interessante poder andar por lá entre os locais.

| Onde comer

Uhhh, essa é uma das nossas partes favoritas da viagem. Aliás, vale a pena sempre conhecer a gastronomia local de onde você estiver de passagem. Faz muita diferença para conhecer os costumes e ajuda muito a curtir a viagem. E Quebec é um lugar onde se pode comer muito bem: tem desde as opções mais simples (como comida de rua), até restaurantes  mais refinados, com seu toque francês.

O prato típico é Poutine, que foi criado na própria província de Quebec. A refeição nada mais é do que batatas fritas cobertas com o molho gravy (de carne) e pedaços de queijo derretido. Para sanduíches e poutines, tem o Chez Ashton, um fast food muito famoso e acessível. Uma refeição – com hambúrguer, bebida e porção média de poutine – sai em torno de CAD $16.  

O restaurante Le Billig tem um clima bem gostoso com luz baixa (Foto: RoadTrio)

O restaurante Le Billig tem um clima bem gostoso com luz baixa (Foto: RoadTrio)

Como não dá pra viver apenas de fast food, aproveite para comer muito crepe e crème brûlée de maple syrup, que é um xarope muito utilizado no Canadá para acompanhar panquecas ou qualquer outro tipo de massa doce. Uma boa dica para provar um tradicional crepe é o restaurante Le Billig, localizado na Rue St. Jean. Tínhamos lido muitas recomendações e realmente valeu a pena. Lá também é conhecido pela cidra de maçã, experimente! Os pratos custam em torno de CAD $16. Recomendamos o La Savoyarde, que é recheado com queijo, batatas, creme, cebola, bacon e queijo noyan gratinado. É realmente muito bom.

Outra opção é o Tres Brausserie, que fica na Ave Grande Allé. Lá você não encontrará pratos típicos, mas é uma ótima parada para um happy hour. O chopp custa apenas CAD $5 e é feito na própria casa. O restaurante tem muitas opções de entradas para acompanhar a cerveja, como sopa (pode parecer estranho, mas ela é divina), poutines, asinhas de frango e por aí vai.

Quebec tem muitas ruas charmosas que irão te surpreender (Foto: RoadTrio)

Quebec tem muitas ruas charmosas que irão te surpreender (Foto: RoadTrio)

Se o dia pedir uma paradinha para o café, aposte no St. Smith, na Rua St. Jean. É uma cafeteria deliciosa, cheia de opções e e super bem decorada. 

Como já falamos, procure concentrar a sua visita na Old Quebec. Lá você encontrará de tudo um pouco. As ruas com mais opções são St. Jean e Grande Allé. É nessa última que está localizado o restaurante mais famosos de todos, o Le Continental. A comida é mediterrânea e parece bem saborosa, mas os preços são bem salgados. O custo médio dos pratos é CAD $25. Quebec, assim como a França, tem um ótimo potencial culinário, então é interessante pesquisar as novidades nessa área antes da sua viagem.

| O que fazer

A cidade tem mais a oferecer do que você imagina. A maioria dos pontos de interesse dos turistas é voltada para o lado histórico, tanto do Canadá como da própria Quebec. Nós passamos 3 dias e meio por lá e podemos dizer que foi suficiente. Como era inverno, caminhamos bastante, mas não conseguimos ficar muito tempo ao ar livre, de pernas pro ar no parque. Por isso, o tempo que você passará por lá depende muito da época.

Se deixar levar e caminhar sem rumo pelas ruelas de Quebec é um ótimo passeio. Confira os principais pontos para começar a explorar Quebec:

Fortificações de Quebec

Um dos grandes portões da muralha que cerca a cidade antiga de Quebec (Foto: RoadTrio)

Um dos grandes portões da muralha que cerca a cidade antiga de Quebec (Foto: RoadTrio)

Umas das peculiaridades da cidade é o muro que cerca a área antiga da cidade, que servia para proteger a área de ataques. São quase 5 km de muralha, o que torna Quebec a única cidade murada da América do Norte,. Durante o seu trajeto, é possível acessar a parte mais moderna de Quebec por meio de grandes portões, como Saint-Louis. É possível caminhar por cima deles e dar a volta na cidade, mas com a neve o acesso fica restrito. Esses muros te levarão até La Citadelle.

La Citadelle

La Citadelle vista de cima (Foto: RoadTrio)

La Citadelle vista de cima (Foto: RoadTrio)

La Citadelle é um dos maiores fortes britânicos da América do Norte e um dos mais antigos, construído entre 1820 e 1850. O forte, que era base militar na época, hoje é a sede do 22º regimento real. Por ainda ser utilizado pelo exército, é preciso fazer visita guiada para conhecer o seu interior. Paga-se CAD $16 para ter acesso ao museu e depois fazer um tour por todos os estabelecimentos durante quase uma hora. Durante essa visita, você poderá conhecer a base militar, a prisão, o sistema de defesa com canhões e fossos. Durante o verão, é possível assistir à troca de guarda às 10h, bem parecida com aquela que acontece na Inglaterra. O mais curioso é que para esse evento diário, um animal de estimação sempre está presente: uma cabra, presente da da Rainha Elizabeth II. 

Fairmont Le Château Frontenac

O Fairmont Le Château Frontenac é o verdadeiro símbolo da cidade (Foto: RoadTrio)

O Fairmont Le Château Frontenac é o verdadeiro símbolo da cidade (Foto: RoadTrio)

O Fairmont Le Château Frontenac é o verdadeiro símbolo da cidade. Você vai ver que durante a sua estadia, você vai passar por ele e fotografá-lo a todo instante, mesmo que não queira. Durante a nossa viagem de 3 dias e meio, só deixamos de ir até o local no último dia. Como nevou durante esse período, não conseguimos resistir a tirar novas fotos do local, que estava completamente diferente. Bom, não é à toa que o Château Frontenac ganhou um espaço no livro dos recordes como o hotel mais fotografado do mundo.

Ah, sim, ele é originalmente um hotel e não um castelo. Ele tem um estilo medieval e renascentista e tem mais de cem anos de história. Hoje em dia, é considerado um hotel de luxo com mais de 600 quartos e com uma vista incrível do Rio São Lourenço mesmo quem não está hospedado no local pode entrar para visitar e usufruir de restaurantes e da cafeteria Starbucks que tem internamente.

Caminhe pelo Terrasse Dufferin, um calçadão feito de madeira que fica em frente ao Château Frontenac (Foto: RoadTrio)

Caminhe pelo Terrasse Dufferin, um calçadão feito de madeira que fica em frente ao Château Frontenac (Foto: RoadTrio)

Antes ou depois da visita ao hotel, vale caminhar pelo Terrasse Dufferin, um calçadão feito de madeira que fica em frente ao castelo e foi construído sobre os restos do forte e castelo Saint-Louis. Caminhe e aproveite a vista da cidade. Se não estiver frio, passe algum tempo por ali só contemplando esse local tão histórico. Ah, tudo isso fica localizado na cidade alta.

Hôtel du Parlement

A fachada do parlamento de Quebec é muito imponente (Foto: RoadTrio)

A fachada do parlamento de Quebec é muito imponente (Foto: RoadTrio)

O Hôtel du Parlement é um dos edifícios mais importantes de Quebec, pois é lá que se encontra a assembleia da cidade. A sua fachada já é muito imponente, mas internamente ele é ainda mais bonito. É possível fazer uma visita guiada (em francês ou inglês) gratuita para conhecer mais sobre a administração política não só de Quebec, como do Canadá como um todo. O tour leva 45 minutos e vale a pena se você tiver com um tempinho de folga no roteiro.

Uma coisa interessante é que você pode tomar café da manhã ou almoçar no restaurante que tem dentro do Parlamento. Infelizmente não conseguimos ir, pois ele funciona apenas nos dias da semana. Os valores não são tão altos, um prato principal gira em torno de CAD $18.

Observatoire de La Capitale

No Observatoire de La Capitale você tem uma vista panorâmica da cidade (Foto: RoadTrio)

No Observatoire de La Capitale você tem uma vista panorâmica da cidade (Foto: RoadTrio)

Suba até o 31º andar do edifício Marie-Guyart Building, localizado próximo à Ave Grande Allé. De lá, você terá uma vista de 360º da cidade. Para você se localizar melhor, eles têm painéis de identificação sobre as construções que você consegue ver lá do alto. O Observatoire de La Capitale é um passeio bem interessante para quem gosta de observar a cidade. A entrada custa CAD $14,75.

Musée de la Civilisation

Fundado em 1984, é um museu localizado na cidade baixa que reúne diversos temas diferentes. Algumas exibições são permanentes e outras temporárias. Por isso, vale a pena verificar a programação para quando você estiver na cidade. A entrada custa CAD $16. Veja mais informações sobre o Musée de la Civilisation.

Petit-Champlain

A rua Petit-Champlain com certeza virou a nossa favorita (Foto: RoadTrio)

A rua Petit-Champlain com certeza virou a nossa favorita (Foto: RoadTrio)

Essa rua com certeza é um dos lugares mais franceses do Canadá. Considerada a rua mais linda do país, ela é bem estreita e tem prédios antigos e charmosos em todo o seu caminho. Lá você sentirá a verdadeira vibração de Quebec. Na verdade, todo o quarteirão dessa região é lindo. O lugar é cheio de comércio, turistas e até locais, que curtem o teatro e os restaurantes da região. Depois de muitas fotos que vimos na internet e pela nossa própria experiência, podemos afirmar que o Natal é a época mais linda para visitá-la. Assim como cada cantinho da cidade, ela fica inteira decorada.

A Petit-Champlain fica na cidade baixa, logo depois do funicular que liga até a cidade alta.

Catedral de Notre-Dame

Cada cantinho de Quebec é especial, ao fundo a Catedral de Notre-Dame (Foto: RoadTrio)

Cada cantinho de Quebec é especial, ao fundo a Catedral de Notre-Dame (Foto: RoadTrio)

Localizada na cidade baixa, a igreja vale a visita mesmo daqueles que não são religiosos. Assim como muita coisa na cidade, ela é uma das igrejas mais antigas da América do Norte, sendo construída em 1647. Ela foi destruída duas vezes por incêndios, mas sobreviveu e permanece em seu local de origem. A entrada é gratuita, mas paga-se para entrar no museu (CAD $5).

Plaines d`Abraham

Não deixe de conhecer o Parc Plaines d`Abraham, também chamado de Battlefield Park (Foto: RoadTrio)

Não deixe de conhecer o Parc Plaines d`Abraham, também chamado de Battlefield Park (Foto: RoadTrio)

Trata-se de uma área de mais de 103 hectares, localizada dentro do Battlefield Park. São muitos jardins, monumentos, fontes, trilhas de esqui e, ainda, abriga o museu que leva o mesmo nome. Se você entrar nele perto dos muros que cercam a cidade de Quebec, vá até o fundo, sentido à Citadelle. Ali, você terá um caminho com algumas escadas, como se fosse um calçadão. Se andar até o final, cairá no Terrasse Dufferin. A vista desse caminho é muito bonita.

No verão, o parque fica cheio de turistas e moradores que aproveitam o sol para descansar e fazer atividades ao ar livre. Já no inverno, é comum ver pessoas com equipamentos de ski para descer as pequenas montanhas que têm por ali.

Não deixe de conhecer o Parc Plaines d`Abraham, também chamado de Battlefield Park (Foto: RoadTrio)

Não deixe de conhecer o Parc Plaines d`Abraham, também chamado de Battlefield Park (Foto: RoadTrio)

Antigamente, o parque foi palco de uma batalha sangrenta entre ingleses e franceses que marcou a história do país. A vitória, lá em 1759, foi dos britânicos, que dominaram Quebec por anos. Caso você goste desse tipo de história, entre no museu e você poderá ver uma simulação da batalha e conferir de perto artefatos da época.

Como resquício dessa época, é possível observar as torres de Martello, localizadas nas extremidades do lugar. Elas foram construídas para proteger a cidade contra uma possível invasão americana, que nunca aconteceu.

Principais ruas

A avenida Grand Allé é uma das principais da cidade, principalmente para quem procura bons restaurantes (Foto: RoadTrio)

A avenida Grand Allé é uma das principais da cidade, principalmente para quem procura bons restaurantes (Foto: RoadTrio)

Caminhe bastante. Não deixe de conhecer as rua Grand Allé, St. Jean, Saint-Paul e ST. Louis. Elas são as mais movimentadas da cidade e com certeza reservam alguma surpresa para você.

Rink de patinação

Se quiser patinar, vá até o Palais Montcalm (Foto: RoadTrio)

Se quiser patinar, vá até o Palais Montcalm (Foto: RoadTrio)

Essa é uma atração exclusiva para aqueles que vão no inverno. Com a chegada do frio e da neve, algumas pistas de patinação são montadas no Canadá. O objetivo parece nem ser atingir os turistas, mas sim o moradores locais. Isso porque a pista é simples, sem grande estrutura.

Andando pela rua em um determinado dia, demos de cara com uma pista de patinação, localizada na Place d´ Youville, em frente ao Palais Montcalm. No primeiro momento, até achamos que era uma pista em que os moradores pegavam seus próprios patins e andavam por ali. Depois fomos ver que podia alugar (CAD $9,50) um patins por tempo indeterminado. A pista fica aberta até dia 18 de março, das 10h às 22h. Mesmo que você nunca tenha patinado, alugue e se arrisque. Vale muito a pena e não é tão difícil quanto parece.

Chute-Montmorrency

A cachoeira que fica em Chute-Montmorrency impressiona pela seu tamanho (Foto: RoadTrio)

A cachoeira que fica em Chute-Montmorrency impressiona pela seu tamanho (Foto: RoadTrio)

Localizado a cerca de 10 km do centro, é um dos passeios mais incríveis para se fazer ao redor da cidade. Dentro desse parque, está uma cachoeira com 83 metros de altura, ou seja, 30 metros mais alta do que a Cachoeira de Niágara (localizada na divisa entre EUA e Canadá). A visita é gratuita, e, além de ver a linda cachoeira, você poderá passar um dia pelo parque que tem mesa de piquenique e muita área verde. Isso se você for no verão ou primavera.

Caso você vá no inverno, como a gente, terá a chance de ver a cachoeira congelada e o parque (e suas árvores) todo coberto de neve.Para quem não está acostumado com a neve, esse cenário é ainda mais incrível. Por cima da queda da cachoeira, existe uma ponte suspensa em que você poderá caminhar e ter noção da dimensão da força d’água.

A cachoeira é 30 metros mais alta do que a Cachoeira de Niágara (Foto: RoadTrio)

A cachoeira é 30 metros mais alta do que a Cachoeira de Niágara (Foto: RoadTrio)

Dentro do parque, existe uma escadaria enorme que a parte alta ao lago, bem no fim do cachoeira. Descer pode parecer fácil, mas subir será complicado para quem não tiver preparo físico. Por isso, tem um bondinho (CAD $10,10 ida/12,08 ida e volta) que liga os dois patamares. No inverno, porém,  estava fechado (escadaria e bondinho).  

Para chegar até o parque é possível pegar um ônibus até o local (linha #800) ou ir de carro (estacionamento varia de acordo com o veículo). Saiba mais sobre o Chute-Montmorrenc.

Veja mais fotos de Quebec:

Este slideshow necessita de JavaScript.

| Informações gerais

Site: https://www.quebecregion.com/en/

País: Canadá

Moeda: dólar canadense – CAD (a cotação pode variar, mas fica em torno de R$ 2,60 e R$ 2,80 – valores em novembro 2017)

DDI do Canadá + Quebec: + 1 (418)

Voltagem: 120V/60Hz

Tomada: dois pinos chatos ou, às vezes, dois pinos chatos e um pino redondo

Vacina: não são necessárias

Fuso horário: UTC -3

Carteira de motorista: a CNH brasileira é permitida, mas você também pode ter a PID (permissão internacional para dirigir)

Língua: oficialmente, fala-se inglês e francês, mas em Quebec a segunda opção é mais frequente

Gorjetas: não são obrigatórias, mesmo em bares e restaurantes. Porém, eles costumam deixar 20%

*Para nos manter sempre conectados, viajamos com a parceria da SkillSIM Mobile, operadora de celular.

Sobre o autor

Em 2011, a jornalista morou na Europa, onde foi travel-writer para o Guia Criativo para O Viajante Independente na Europa. De volta ao Brasil, não quer se limitar às paredes de um escritório e fez do seu hobby uma nova profissão.

6 Respostas

  1. Leo Vidal

    Ainda não conheço o Canadá, mas já está na minha lista para uma viagem mais longa. Bom saber que em 3-4 dias conseguimos ver as principais atrações. Já anotei essa dica.

    Responder
  2. Alexandra

    Uau que cidade linda. Estou fazendo um roteiro no Canadá de Leste a Oeste e seu post ajudará bastante. Parabéns.

    Responder
  3. Ruthia

    Nunca li um post tão completo sobre o Quebec. A imagem de entrada é fabulosa, só com ela já me convenceu a conhecer essa cidade um dia (na primavera ou outono, porque acho que morro com 40ºC negativos). A cidade tem um ar europeu, mesmo.
    Grata pelas dicas

    Responder
  4. Alessandra Fratus

    Ai que delícia! Amei as dicas de onde comer e onde se hospedar. Quebec com certeza está na minha lista de destino pros próximos anos. Quero conhecer mais do Canadá!

    Responder
  5. Flávia Donohoe

    estou pensando seriamente em ir ao Canadá, quero passar 1 mês estudando francês e Quebec é minha primeira opção, pelo jeito dá pra fazer muita coisa, eu adorei as dicas!

    Responder

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.