É possível cruzar de carro a Nova Zelândia, passando pela ilha norte e pela ilha sul. Mostramos tudo que você precisa saber antes de ir para a Nova Zelândia e também listamos 7 motivos para você alugar um carro por lá. Durante 14 dias, o RoadTrio rodou mais de 3 mil quilômetros de Auckland (norte) até Milford Sound (sul).

Se você não tiver tanto tempo, pode escolher uma das ilhas para explorar com mais calma. Veja abaixo o nosso roteiro completo da ilha norte da Nova Zelândia, que vai de Auckland até Wellington.


LEIA TAMBÉM
Tudo que você precisa saber sobre a Nova Zelândia
Ilha Sul da NZ: de Picton até Milford Sound
7 motivos para alugar um carro na Nova Zelândia
Alugue uma casa na NZ e tenha uma experiência “kiwi”


| DIA 1: Brasil – Auckland

A maioria dos voos chega em Auckland bem cedo. Por isso, vale a pena programar algo por lá enquanto seu check-in no hotel não é liberado. Provavelmente você estará cansado, então programe algo que não exija muito esforço.

O que fazer

Sky Tower: visite o principal ponto turístico de Auckland, cartão-postal da cidade. A torre tem 328 metros de altura e oferece uma vista panorâmica da cidade. Quem quiser um pouco de aventura, pode experimentar o SkyJump ou o Sky Walk. No primeiro, o visitante salta do alto da torre e, no segundo, ele anda pelo lado de fora da torre, preso por cabos de aço. É possível fazer uma reserva online no skywalk.co.nz. Os preços para essas atividades vão de NZ$115 a NZ$175.

Preço para visitar: NZ$29 (adulto), NZ$12 (crianças de 6 a 14 anos). Menores de 5 anos não pagam.
Horário de funcionamento: todos os dias do ano (maio a outubro: das 9h às 22 / novembro a abril: das 8h30 às 23h30).
Endereço: Victoria St W, Auckland, 1010, Nova Zelândia
Site: www.skycityauckland.co.nz

SkyTower, no centro de Auckland (Foto: RoadTrio)

SkyTower, no centro de Auckland (Foto: RoadTrio)

Devonport: é um charmoso subúrbio histórico e residencial de Auckland. Para chegar lá, é possível ir de ferry (NZ$12) ou de carro. O local é o melhor ponto para ver o skyline de Auckland, além de ser recheado de casas com estilo colonial, lojas locais, restaurantes e cafés, além de uma pequena praia e um visual incrível e panorâmico do centro da cidade, com o Sky Tower ao centro. Reserve um dia do seu roteiro para curtir esse outro lado da cidade. Caminhe pela Victoria Road, escolha o melhor café e aproveite para comprar um souvenirs.

Devonport oferece uma linda vista do skyline de Auckland (Foto: RoadTrio)

Devonport oferece uma linda vista do skyline de Auckland (Foto: RoadTrio)

Harbour Bridge e Westhaven Marina: auckland é também conhecida como a cidade das velas, já que está localizada em um istmo e é banhada pelo Mar da Tasmânia e pelo Oceano Pacífico. A Westhaven Marina é considerada a maior marina do hemisfério sul e é um lugar gostoso para caminhar (de lá também saem alguns passeios aquáticos). Você vai ter uma bela visão da cidade como um todo, tendo novamente a SkyTower como centro dos olhares.. Também é possível ver de perto a Harbour Bridge, ponte que liga Auckland a outros distritos como Devonport. É possível saltar de bungy jump da ponte.

Da Marina também é possível ver a SkyTower (Foto: RoadTrio)

Da Marina também é possível ver a SkyTower (Foto: RoadTrio)

Onde se hospedar: Pukeatua Farmstay

O hotel segue a linha farmstay, fica em Waimauku, em Auckland, e foge do padrão de hotéis que encontramos em cidades grandes. Apesar de ser um pouco afastado do centro, ele oferece uma experiência única. A família Ratsdorf tem uma ‘mini casa’ dentro da própria casa para hospedar turistas do mundo inteiro. Além de um visual incrível do campo, o local tem alpacas, cavalos, galinhas e uma receptividade incrível (isso sem contar as delícias culinárias).

Preço: a partir de R$ 320 a diária
Endereço: 35 Taylor Rd, Waimauku, Auckland 0882, Nova Zelândia
Site: www.pukeatua.co.nz

Horário de saída para o próximo destino: 6h do dia 2

| DIA 2: Auckland – Waitomo – Rotorua – Hamilton

Distância: aproximadamente 220 km, cerca de 3 horas, de Auckland até Waitomo / Aproximadamente 150 km, cerca de 2 horas, de Waitomo até Rotorua / aproximadamente 116 km, cerca de 1h40, de Rotorua até Hamilton.
Estrada: State Highway 1 e State Highway 39

A estrada é longa nesse trecho. Waitomo não pode ficar fora do seu roteiro exatamente pelas cavernas. Mas se você tiver um dia a mais, divida este trajeto em dois e durma uma noite em Rotorua e outra em Hamilton. Nós apenas passamos de carro por Rotorua.

O que fazer

Waitomo Caves (Waitomo): existem vários tours diferentes na mesma caverna. O Ruakuri Cave é uma caminhada por dentro da caverna, onde o auge é a hora em que você é surpreendido pelos glow worms, que brilham e criam a sensação de que você está sob um céu estrelado, já que produzem uma luz azul forte que brilha no escuro. Os bichinhos são insetos que produzem uma mucosa para capturar algumas presas e suas enzimas fazem com que ela fique brilhante. Além disso, a caverna é toda formada por estalactites e estalagmites que criam um visual impressionante. Tem também o tour para quem prefere literalmente nadar pelo rio que corta a caverna.

Preço: NZ$72 (adultos), NZ$28 (crianças), NZ$ 176 (família)
Endereço: 39 Waitomo Village Rd, Waitomo 3943, Nova Zelândia
Site (e outros tours): www.waitomo.com

Waitomo Caves (Foto: RoadTrio)

Waitomo Caves (Foto: RoadTrio)

Rotorua: se você pegar um tour na caverna pela manhã, pode conhecer Rotorua na parte da tarde. Mas é preciso ter disposição, já que a cidade fica 150 km distante, cerca de 2h00. Além disso, vá para a cidade com um plano do que fazer para não perder a viagem. A cidade é rica em fontes termais e piscinas de lama fervente. Não é à toa que você sentirá um leve odor de enxoxfre no ar assim que chegar por lá. Entre as atrações mais famosas estão  Waimangu Volcanic Valley, Hell’s Gate e Whakarewarewa – The Living Thermal Village.

 

Área externa do hotel (Foto: RoadTrio)

Área externa do hotel (Foto: RoadTrio)

Onde se hospedar: Lakewood Lodge (Hamilton)

Dependendo do seu roteiro, pode valer a pena se hospedar em Rotorua. Mas como queríamos algo diferente, fomos para o Lakewood Lodge, em Hamilton. O hotel costuma receber grupos grandes de excursões, mas você pode conseguir um quartinho na baixa temporada e ainda se deliciar com uma linda vista (foto acima). É um hotel que longe do centro, mas vale para quem realmente quer curtir a estrada e a natureza.

Preço: sob consulta, dependendo do número de pessoas
Endereço: 585 Glen Murray Road, Nova Zelândia
Site: www.lakewoodlodge.co.nz

Horário de saída para o próximo destino: 6h do dia 3

| DIA 3: Hamilton – Taupo

Distância: aproximadamente 170 km, cerca de 2 horas
Estrada: State Highway 1

Taupo tem bastante coisa para fazer. Por isso, separamos dois dias e meio para ficar por lá. A cidade fica à beira do Lake Taupo, o maior lago do país e o segundo com maior volume de água doce da Oceania. Ele fica exatamente no centro da ilha norte do país, em uma cratera vulcânica, resultado de uma erupção há mais de 26 mil anos.

O que fazer

Paraquedas: a cidade é famosa por ser um dos melhores lugares para saltar de paraquedas na Nova Zelândia. O visual lá de cima é, de fato, incrível, com destaque para o Lake Taupo. A Sky Dive Taupo é uma das mais recomendadas da região e a experiência é realmente maravilhosa. É recomendável agendar dia e horário, mas é necessário ligar no mesmo dia para ver se o salto está confirmado devido às condições climáticas. Tem duas opções de salto: 12 mil pés ou 15 mil pés. Escolhemos a primeira opção, que tem 45 segundos de queda livre. Veja aqui como foi saltar de paraquedas em Taupo.

Preço: a partir de NZ$ 279
Endereço: Anzac Memorial Drive, Taupo (aeroporto de Taupo)
Site: www.skydivetaupo.co.nz

Salto de paraquedas em Taupo (Foto: RoadTrio)

Salto de paraquedas em Taupo (Foto: RoadTrio)

Huka Falls: um dos pontos mais famosos de Taupo. Para chegar na cachoeira, você pode fazer uma trilha de 20 minutos ou simplesmente estacionar o carro ao lado dela. Nós escolhemos o ‘caminho das pedras’ e tivemos a chance de sermos surpreendidos com esse visual incrível do rio Waikato, antes de desaguar no Lake Taupo. A Huka Falls não é alta, mas é famosa pela sua cor e também pela quantidade de água que passa em um espaço tão estreito. Ela tem uma vazão média de aproximadamente 220 mil litros por segundo. Aos apaixonados por trilha, daí de cima sai uma de aproximadamente 5 km para ser percorrida de bicicleta

Preço: grátis
Endereço: Taupo 3377, Nova Zelândia
Site: www.hukafalls.com

Vista da Huka Falls (Foto: RoadTrio)

Vista da Huka Falls (Foto: RoadTrio)

Onde se hospedar: The Loft (Taupo)

Como nossa agenda estava bem cheia para os dias em Taupo e já sabíamos que ficaríamos exaustos no fim do dia, decidimos caprichar no conforto do nosso hotel. Nos hospedamos no The Loft Acaciabay e tivemos uma experiência incrível. O hotel nada mais é do que a casa de um casal, que dedicou o piso superior a quartos luxuosos para receber turistas do mundo inteiro. O estilo Bed and Breakfast aqui é famoso por ser uma opção requintada e calorosa. Chuveiro quentinho, cama macia, quarto aquecido… tudo que precisávamos depois de um dia agitado.

Preço: a partir de R$ 170 a diária na baixa temporada
Endereço: 3 Wakeman Road, Acacia Bay Taupo 3330 New Zealand
Site: www.theloftnz.com

| DIA 4: Taupo

O que fazer

Tongariro National Park: esse é o Parque Nacional mais antigo da Nova Zelândia e o quarto mais antigo do mundo. Acorde bem cedo e pegue a estrada, pois ele fica a aproximadamente 71 km do centro de Taupo, 1 hora dirigindo. Dedique o dia inteiro para ele, já que é possível escolher várias atrações para fazer no mesmo dia. O parque tem uma infraestrutura completa com restaurantes, centro de informações, banheiros públicos e até mesmo hotel. Não é preciso pagar para entrar no Tongariro e há dezenas de trekkings e atrações lá dentro, inclusive uma estação de esqui.

Vista da Huka Falls (Foto: RoadTrio)

Vista da Huka Falls (Foto: RoadTrio)

Tongariro Alpine Crossing: nós reservamos um dia para conhecer Parque Nacional Tongariro e a ideia era fazer a Tongariro Alpine Crossing, trilha mais famosa da Noza Zelândia, com quase 20 km. Mas o clima não ajudou, infelizmente, e ficamos só na vontade. Se você for para a NZ, principalmente na primavera/verão, faça! A trilha conta com 3 vulcões, incluindo o Mount Doom, cenário de “Senhor dos Anéis”. O auge da trilha fica na área do Lake Emerald. É um visual incrível! Mas vá preparado fisicamente e psicologicamente. Não esqueça de levar roupas adequadas, equipamento básico e lanchinhos para se recompor durante o trajeto.

Preço: é recomendável ir acompanhado de um guia. Preço a ser combinado na hora.
Endereço: Tongariro National Park, Nova Zelândia
Site: www.nationalpark.co.nz

Taranaki Falls: como o clima não estava favorável, fizemos uma trilha de 6 km (ida e volta) para a Taranaki Falls. A trilha em si já valeu a pena porque a vegetação avermelhada e com neve é completamente diferente do que estamos acostumados a ver no Brasil. A cachoeira tem 20 metros de altura e cai em um poço verde esmeralda não muito grande, o que deixa o cenário ainda mais incrível.

Preço: grátis
Endereço: Tongariro Northern Circuit, Tongariro National Park 4691, Nova Zelândia

Taranaki Falls, no Parque Tongariro (Foto: RoadTrio)

Taranaki Falls, no Parque Tongariro (Foto: RoadTrio)

Tawhai Falls: a trilha para essa cachoeira é de apenas 5 minutos e muito fácil. Ela tem 13 metros de altura. Apesar de não ser tão bonita quanto a anterior, vale a visita por ser o local de filmagem de uma das cenas da trilogia O Senhor dos Anéis, mais especificamente a cachoeira do personagem Gollum. Por isso ela também é conhecida como Gollum’s Pool.

Preço: grátis
Endereço: Manawatu-Wanganui 4691, Nova Zelândia

Tawhai Falls é cenário de 'Senhor dos Anéis' (Foto: RoadTrio)

Tawhai Falls é cenário de ‘Senhor dos Anéis’ (Foto: RoadTrio)

Turoa Campo Ski: apesar da ilha norte não ser muito abastecida de montanhas, o Tongariro abriga a famosa estação Turoa Campo Ski, que possui uma das descidas mais inclinadas da Australásia (que inclui a Austrália, a Nova Zelândia, a Nova Guiné e algumas ilhas menores da parte oriental da Indonésia), com 722 metros. Turoa tem 25 pistas de nível avançado e uma área para iniciantes. Se você não quer esquiar, vale chegar no topo da montanha para ver o visual e tomar chocolate quente no restaurante.

Preço: grátis para entrar, a partir de NZ$79 para esquiar
Endereço: Mt Ruapehu 4691, Nova Zelândia
Site: www.mtruapehu.com/winter/Turoa

Estrada para a estação de esqui (Foto: RoadTrio)

Estrada para a estação de esqui (Foto: RoadTrio)

| DIA 5: Taupo – Wellington

Distância: aproximadamente 370 km, cerca de 5h30 horas
Estrada: State Highway 1

Dedicamos mais uma manhã e uma tarde para ficar em Taupo antes de partir para Wellington, capital da Nova Zelândia. Como o caminho seria longo, acordamos um pouco mais tarde nesse dia antes de começar a nossa programação. Depois de conhecer mais duas atrações em Taupo, partimos para Wellington no meio da tarde.

Centrinho + Mc Donald’s no avião (Taupo): o centrinho de Taupo é muito charmoso, cheio de lojas, restaurantes à beira do lago e o famoso Mc Donald’s no avião. O modelo DC-3 estava parado ao lado do restaurante nos últimos 24 anos, até ser restaurado e acoplado à rede de fast food. Agora ele tem mesas para acomodar os consumidores, mas mantém a cabine de comando intacta. Ah! Informação importante: o chocolate quente (com marshmallows!) em todos os Mc Donald’s da Nova Zelândia custa apenas NZ$ 1. Nada mal para os dias mais frios, né?

Endereço: 48 Roberts St, Taupo 3330, Nova Zelândia

Mc Donald's em um avião (Foto: RoadTrio)

Mc Donald’s em um avião (Foto: RoadTrio)

Maori Rock Carvings (Taupo): este é mais um ponto turístico indispensável na cidade. O passeio de barco da Ernest Kemp pelo Lake Taupo nos levou até um conjunto de esculturas Maoris. Elas foram feitas por integrantes da tribo Tuwharetoa no final da década de 80 para conservar as tradições. Elas ficam em uma margem mais afastada do lago e só é possível vê-las por algum meio de transporte aquático. Elas são imponentes e impressionantes. O passeio dura cerca de 2 horas e passa por outras regiões do lago.

Preço: NZ$ 44
Endereço: 65 Redoubt Street, Berth 2, Taupo Marina, Taupo 3351, Nova Zelândia
Site: www.ernestkemp.co.nz

Maori Rock Carvings (Foto: RoadTrio)

Maori Rock Carvings (Foto: RoadTrio)

Onde se hospedar: Park Hotel (Wellington)

Cidade grande, hotel tradicional (e com cara de hotel). O Park Hotel fica localizado no centro da cidade, com fácil acesso para os principais pontos e avenidas. Ele é contemporâneo, 4 estrelas com quartos amplos, confortáveis e bem equipados. O hotel também tem um restaurante, o Sterling Woodfire Eatery & Bar, onde é servido café da manhã e jantar, não inclusos na diária. Leia o review completo do Park Hotel.

Preço: a partir de R$ 318 a diária
Endereço: 101 The Terrace, Wellington, 6011, Nova Zelândia
Site: www.parkhotel.nz

Horário de saída para o próximo destino: 17h do dia 5

| DIA 6: Wellington – Ilha Sul

Distância: ferry (3h30)
Endereço: Wellington Ferry Terminal 1 Aotea Quay, Pipitea, Wellington 6011, Nova Zelândia

Se você tiver tempo, dedique mais um dia para ficar em Wellington. A cidade grande com clima litorâneo nos surpreendeu. Tem muito o que fazer em Wellington, incluindo museus, galerias de arte, mercados ao ar livre e o cable car.

Oriental Bay: se você tem pouco tempo, não deixe de passear (e tomar um belo sorvete) pela Oriental Bay, praia dentro da cidade que proporciona um visual lindo da conhecida zona alta, que abriga bairros residenciais. Você vai encontrar muita gente fazendo exercício pela orla. A cidade é muito viva e jovem, inclusive para quem quer curtir a noite.

Vista da Oriental Bay (Foto: RoadTrio)

Vista da Oriental Bay (Foto: RoadTrio)

Cuba Street:  é uma boa opção para quem quer comer bem, gastando muito ou pouco. A rua é fechada para carros na maior parte, tem várias esculturas, grafites, lojinhas, restaurantes e artistas de rua. Na Cuba Street aproveitamos para conhecer a lanchonete mais querida pelos estudantes, o Ekim Burgers. Com um ambiente para lá de descontraído e boa música, o local serve diferentes opções de lanches e acompanhamentos a preços acessíveis.

Endereço: Cuba St, Te Aro, Wellington 6011, Nova Zelândia

Ekim Burgers, na Cuba St. (Foto: RoadTrio)

Ekim Burgers, na Cuba St. (Foto: RoadTrio)

Old St. Paul Cathedral: Esta catedral é muito bonita, 100% construída em madeira seguindo o estilo gótico. Não são realizadas mais missas no seu interior, mas ela é muito famosa e requisitada para casamentos e funerais. Recentemente foi construída uma nova Catedral St. Paul, mas não vale a visita. Todo o charme e beleza se manteve no antigo monumento.

Preço: grátis
Endereço: 34 Mulgrave St, Pipitea, Wellington 6011, Nova Zelândia

A catedral é 100% feita em madeira (Foto: RoadTrio)

A catedral é 100% feita em madeira (Foto: RoadTrio)

Ilha norte para ilha sul: chegou a hora de ir da ilha norte para a ilha sul. Para isso, é necessário pegar uma ferry que anda cerca de 93 km pelo estreito de Cook. Fomos pegos de surpresa primeiro porque não tínhamos ideia do tempo que ela demora para ir de um ponto ao outro: 3h30. Segundo, porque não estávamos preparados para o preço: um carro com 2 pessoas saiu por NZ$226! Mas no fim das contas o passeio valeu muito a pena. O visual de todo o percurso é muito lindo, já que passamos por lugares como Queen Charlotte Sound, Tory Channel e Marlborough Sound. Além disso, a ferry é confortável: um navio onde estacionamos o carro e subimos para uma área comum com sofás, mesas e um restaurante. Para quem quer esticar as pernas e dormir, é possível alugar uma cabine a partir de NZ$40. Várias empresas fazem esse trajeto e os preços não variam muito.

Ferry que nos levou da ilha norte para a ilha sul (Foto: RoadTrio)

Ferry que nos levou da ilha norte para a ilha sul (Foto: RoadTrio)

Tem mais dias de férias? Veja a continuação do roteiro pela ilha sul da Nova Zelândia, de Picton até Milford Sound.

| DIA EXTRA: Auckland

Depois de descer até Milford Sound de carro (veja o roteiro completo da ilha sul da Nova Zelândia), pegamos um voo de volta de Queenstown até Auckland, onde tivemos mais duas noites.

Nós dedicamos um dia para ficar pelo centrinho, comprar alguns doces no mercado para trazer para o Brasil, procurar os últimos souvenirs, e outro dia fizemos um tour. Se você não tiver dois dias, pode resumir as duas coisas em um dia só.

Centrinho: a Queen Street é uma rua icônica que começa no Queen Wharf (porto) e vai até o subúrbio, em uma área residencial. Ela é a rua principal do centro de Auckland e reúne várias lojas, restaurantes, cafés, cinemas, bares e teatros (lá também fica a pequena loja de cookies da Mrs Higgins, não deixe de experimentar). As ruas que cortam a Queen e suas paralelas, Lorne St. e Upper Queen St, também são ótimas para caminhar e encontrar mais opções de lojas e restaurantes.

Mount Eden: para chegar ao topo do Mount Eden é preciso fazer uma caminhada íngrime, mas não muito longa desde a sua base (cerca de 25 minutos) e por uma trilha asfaltada na maior parte. Este é o vulcão mais alto de Auckland (196 metros), está adormecido e oferece uma vista panorâmica de Auckland. Há uma cratera gigantesca que chega a ter 50 metros de profundidade e é totalmente coberta por vegetação. A última erupção do vulcão aconteceu há mais de 15 mil anos. De lá também é possível ver o vulcão One Three Hill, do Cornwall Park, a península Coromandel, a ilha vulcânica Rangitoto, a ilha Waiheke e o belo skyline de Auckland.

Preço: grátis
Endereço: 250 Mt Eden Road, Mt Eden

Cratera de 50 metros (Foto: RoadTrio)

Cratera de 50 metros (Foto: RoadTrio)

Onde se hospedar: Modern City

Aquele apê que você queria chamar de seu! Nossos dois últimos dias em Auckland não podiam ter sido melhor. Ficamos nesse apartamento muito bem localizado (praticamente esquina com a Queen St – rua principal do centro da cidade). Alugamos o apartamento pela Bachcare, uma empresa que reúne mais de 1500 casas de férias em mais de 50 cidades da Nova Zelândia. O que nos hospedamos tinha 2 quartos, 2 banheiros e uma sala ampla com cozinha americana. Da nossa sacadinha dava para ver um pedacinho da Sky Tower e estávamos há pouquíssimos minutos de todos os restaurantes, bares e lojas do centro. O apartamento é 100% equipado, então é possível cozinhar, relaxar assistindo um filminho e até lavar todas as roupas antes de voltar para casa. Recomendamos muito! Você pode alugar uma casa na Nova Zelândia e ter uma experiência “kiwi”.

Preço: pode variar de acordo com o tipo de casa ou apartamento. Veja opções.
Site: www.bachcare.co.nz

Apartamento em Auckland (Foto: RoadTrio)

Apartamento em Auckland (Foto: RoadTrio)

***  Em roadtrips longas como esta, é indispensável alugar um carro com seguro completo e analisar as condições de retirada em um ponto e devolução em outro. Faça um orçamento completo com a Hitch Rental Cars.

Além disso, para maior segurança e tranquilidade, faça sempre um seguro viagem. Nós fizemos um com a Chancetour Viagens, que tem um preço bem acessível e ampla cobertura! A tranquilidade de saber que você está seguro em todos os aspectos faz com que você curta muito mais sua viagem. Peça seu orçamento aqui!

Sobre o autor

Formada em jornalismo, já passou algumas temporadas na Califórnia e em Barcelona. Os anos de cobertura de Semanas de Moda internacionais passaram e fizeram com que ela descobrisse que o seu verdadeiro estilo é viajar.

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.