Não é fácil surpreender um brasileiro quando o assunto é beleza natural. Vira e mexe as praias do nosso litoral figuram nas listas de melhores e mais bonitas do mundo, o que faz a gente ficar de nariz empinado e até ignorar outros destinos de sol e mar. Porém, depois de conhecer Curaçao, a gente teve que dar o braço a torcer.


LEIA MAIS

Bon Bini a Curaçao – Tudo sobre a ilha caribenha
5 restaurantes imperdíveis em Curaçao
Você conhece o paraíso? Te apresentamos Barbados


O local ainda não entrou de vez no roteiro dos viajantes brasileiros, o que de certa forma é positivo, pois não tínhamos muita ideia do que encontraríamos e a falta de informação deixou deu um ar de mistério para a nossa viagem. O nosso maior medo ao embarcar era encontrar apenas uma ou outra praia bonita, já que nem o Google trazia muitas fotos do destino.

Ainda do avião percebemos que nossa ideia inicial estava errada e que esse medo foi completamente em vão. Na costa da ilha você percebe a cor diferente das águas. Já em terra firme, partimos para os passeios e, obviamente, todos incluíam as praias. Tons de azul turquesa e verde claro, artificiais e naturais, superbadaladas ou quase intocadas… todas têm o seu charme!

Ao contrário do que muitos dizem, ficar apenas uma semana em Curaçao é pouco. Claro, se você tiver só esse tempo disponível , vale a pena. Mas você também pode passar mais de duas semanas na ilha e ainda terá bastante coisa para fazer. As praias mais bonitas ficam afastadas da capital Willemstad e são, na maioria, públicas. Já as mais centrais – e mais cheias –  são pagas. Mas não se assuste ao ter que pagar para pisar na areia. Os valores cobrados são baixos e a infraestrutura é ótima (preços abaixo).

Outro destaque desse paraíso é que em quase todas as praias é possível fazer mergulho. E o melhor: você nem precisa pegar um barco para ir para o meio do mar. Muitos mergulhadores colocam o equipamento ainda na areia e vão caminhando mar adentro até o ponto em que mergulham e somem para aproveitar a vida marinha. Mas o cilindro muitas vezes é dispensável e um simples snorkel já dá um bom gostinho da beleza submarina de Curaçao.

Separamos algumas praias que conhecemos e mais gostamos.

| Kenepa Grandi 

Pública

O azul do mar de Kenepa é algo completamente diferente do que já vimos (Foto: RoadTrio)

A mais famosa e cartão postal de ilha, Kenepa Grandi fica a 40 minutos da capital e a chegada pode parecer confusa, pois existem duas Kenepas: a Grandi e a Chiki (pequena). Durante o trajeto na estrada, a primeira a aparecer é a pequena, apesar de menos conhecida, tem o seu charme e vale uma parada. Mas depois continue na estrada e ela terminará no estacionamento da Kenepa Grandi.

Ao descer as escadas, parece que você está em uma piscina gigante. O azul é inacreditável, de verdade, e fica ainda mais forte quando o sol bate. Não é à toa que essa é a praia mais procurada pelos visitantes.

É uma praia pública, o que significa que não precisa pagar para entrar. Porém, paga-se pelo conforto: duas cadeiras de praia e um guarda-sol por 20 dólares. Vale a pena para passar o dia todo nesse paraíso com a água mais azul que já vimos. Dica: leve seu snorkel e pé de pato, irá economizar alguns trocados.

Outra dica é levar algo para comer durante o dia, pois lá só tem um quiosque com poucas opções de comida e bebida.

| Santa Martha

Pública

Parte do hotel abandonado em Santa Martha (Foto: RoadTrio)

Sinceramente, não é a praia em si que nos chamou a atenção. Vale colocar no seu roteiro devido ao trajeto que você irá percorrer. Antes de chegar até a praia, você passará pela Baía de Santa Martha. O mirante desse lugar é lindo demais, principalmente nos dias de sol, quando o  azul e verde das águas ganham um destaque especial.

Passando a baía, você chegará à praia. Lá tem um hotel abandonado, que faliu há alguns anos. A curiosidade fez a gente explorar alguns cômodos, mas o lugar pareceu um pouco “macabro”.  A praia é completamente vazia e nem tão bonita. Seu grande atrativo é a carcaça de um avião no fundo do mar (mas confessamos que não tivemos coragem de nos aventurar sozinhos pelo mar). Ficamos apenas algumas horinhas para curtir um pôr do sol exclusivo, pois não tinha ninguém por perto.


LEIA TAMBÉM
Bon Bini a Curaçao – tudo sobre a ilha caribenha
Você conhece o paraíso? Te apresentamos Barbados
Quint’s Hotel: praticidade e custo-benefício em Curaçao


| Mambo Beach

Particular

Uma dica: veja o pôr do sol dessa linda praia de dentro do mar (Foto: RoadTrio)

Essa praia contou com a ajuda do homem para existir. A água azul do oceano caribenho foi represada e uma enseada de areia branca foi construída. Como em toda a costa de Curaçao, a água tem uma temperatura amena – perfeita para ficar o dia todo dentro do mar. Ao nadar um pouco mais em direção ao horizonte, você encontrará uma barreira de pedras, local em que muitos peixes se abrigam. A praia é bem cheia, por isso, se você quer um pouco de sossego, recomendamos ir até o canto esquerdo, próximo ao Lions Dive & Beach Resort.

Para entrar é preciso pagar US$ 6,50 por pessoa, valor que dá direito a estacionamento, cadeiras e ducha de água doce. Nós curtimos o pôr do sol por ali, dentro do mar. O visual é completamente inesquecível. De um lado, o céu mudando de cor a cada segundo – azul, amarelo, laranja, vermelho e roxo –, do outro, a praia com seus charmosos restaurantes e varais de luzes.

| Caracas bay

Pública

A experiência de nadar em uma embarcação naufragada é incrível (Foto: RoadTrio)

Quem nos levou até essa região foi a empresa Curaçao Actief. Fomos lá para curtir o fundo do mar com snorkel em um naufrágio de uma antiga embarcação conhecida como Tug Boat que está não muito longe da costa. Sem dúvida este um dos melhores passeios da ilha. A praia é curta e cheia de pedras, ou seja, a beleza está mesmo debaixo d’água. 

| Jan Thiel

Particular

A praia quase não tem areia, mas nem por isso perde o seu charme (Foto: RoadTrio)

É nela que estão os grandes resorts, ótimos restaurantes e uma boa infraestrutura para passar o dia. Porém, ela é bem turística e não muito paradisíaca quando comparada com as praias da região Oeste da ilha. Paga-se para entrar e para usar as cadeiras (US$ 7,00)

Vale a pena para quem quer algo prático e com mais agitação. Além da linda praia com água cristalina e calma, você pode aproveitar o happy hour mais famoso da ilha, no Zanzibar. Às sextas e aos sábados, o bar tem música ao vivo e um clima diferente de balada com o pé na areia. Essa festa, aliás, foi recomendada por quase todos os locais quando perguntávamos de um lugar para sair à noite.

| Blue Bay

Particular

BlueBay é bem calma e tranquila. Ótima para descansar. (Foto: RoadTrio)

No mesmo estilo das demais praias que abrigam resorts, a Blue Bay Beach tem infraestrutura ótima com um bar pé na areia. Leve o seu snorkel para ver corais e lindos peixes no canto direito, entre as pedras. Essa é uma das praias privadas mais calmas que visitamos. Vale lembrar que é preciso pagar para entrar (US$ 8,00)

Se você já visitou Cas Abao ou Porto Mari, ambas também pagas, essa talvez não terá tanta graça.

| Playa Largu

Pública

Chinelo é indispensável para caminhar pela Playa Largu (Foto: RoadTrio)

Indicada por moradores locais, essa praia é destino apenas para as pessoas que querem mergulhar ou fazer snorkel. Completamente deserta, ela é feita de pedra, água cristalina e muitos peixes – se der sorte (como nós demos!), pode ver até tartarugas. Chegar até lá é um pouco mais complicado, pois você precisa enfrentar uma trilha (de carro) que quando chove muito pode se tornar intransitável dependendo do seu carro. Em dias normais, a trilha é bem tranquila e nosso Kia Picanto deu conta do recado sem o menor problema.

Vale a pena, pois em poucos minutos de mergulho, conseguimos ver peixes bem diferentes e tartarugas, além da deliciosa sensação de ter uma praia inteira só pra você. Apesar de ser pública, eventualmente têm pessoas no início da trilha cobrando para você ter acesso.

| Playa Lagun

Pública

Apesar de linda, a grande atração da Playa Lagun está mesmo debaixo d’água (Foto: RoadTrio)

A praia Lagun foi bem recomendada por locais e turistas. Ela é muito pequena, tem pouca areia, mas o melhor está reservado para quem trouxer snorkel. Essa foi uma das praias que mais conseguimos ver peixes diferentes perto das pedras, além de corais e… mais uma tartaruga!

Ela é pública, mas é preciso pagar se quiser usar as cadeiras de praia. Como passamos a maior parte do tempo dentro do mar, nem alugamos (US$ 2,50 ). Esticamos a canga na areia e ficamos por ali mesmo. 

| Playa Grandi

Pública

O que resta da pescaria vira um banquete para várias tartarugas (Foto: RoadTrio)

Antes de embarcar para Curaçao, não havíamos lido praticamente nada sobre essa praia, que quase nenhum turista conhece. E não é por acaso. A praia serve aos pescadores locais que ancoram seus barcos depois de uma manhã toda trabalhando no mar. Ok, mas o que tem de legal no lugar?

Ir até essa praia foi de longe a melhor dica que recebemos dos moradores. Lá, pescadores passam com barquinhos na hora do almoço e jogam os restos de iscas no mar. De repente, MUITAS tartarugas (e das grandes) nadam até o píer de olho no banquete e ficam por lá por algumas horinhas. Queríamos muito ver tartarugas em seu habitat natural e em Curaçao isso não é algo raro. Porém, ver mais de 20 delas ao nosso redor foi um momento inesquecível!

Chegamos por volta do meio dia e alguns viajantes informados já estavam dentro do mar. Corremos para entrar e aproveitar esse momento. A água é transparente, mas a praia em si não é bonita e nem é indicada para passar o dia.

| Playa Daaibooi

Pública

Entre tantas praias, Daaibooi passa quase despercebida (Foto: RoadTrio)

Essa entra para a lista das praias públicas, porém, paga-se para usar as cadeiras de praia. Os preços quase sempre são os mesmos, entre 3 e 3,50 dólares. Ela é bem tranquila por não estar entre as prioridades dos turistas da ilha. Passamos apenas a tarde e comemos em um quiosque localizado no canto direito.

| Cas Abao

Particular

Mais uma das praias de areia branca e água azul. O pôr-do-sol também vale a pena aqui. (Foto: RoadTrio)

Entre as praias particulares mais procuradas na ilha está a Cas Abao. Não é para menos. O lugar é tão lindo quanto as outras praias, mas tem a vantagem de ter o mar tão tranquilo que até parece uma piscina. Lá também é possível ver alguns peixes, mas essa não é a atração principal.

O que torna a praia ainda mais aconchegante é a natureza ao redor. Muitas árvores fazem sombras naturais na areia. Vale chegar cedo, principalmente se for fim de semana. Caso contrário, não conseguirá pegar um bom lugar para se esticar. Com toda a sua estrutura, é possível alugar snorkel, fazer mergulho, andar de kayak e diversas outras atividades oferecidas pela Dive Shop de Cas Abao. A entrada é US$ 6,00 o carro com 4 passageiros.

Mais informações em www.casabaobeach.com.

| Kokomo Beach

Pública

Bem tranquila e vazia, Kokomo foi feita para relaxar (Foto: RoadTrio)

Essa praia é pouco procurada pelos turistas, mas vale considerá-la no seu roteiro, caso tenha dias de sobra. Ela é muito tranquila, possui uma plataforma flutuante no mar, tem um bar (delicioso e mais em conta do que outros lugares) e uma tenda para fazer massagem no canto direito. Foi a nossa primeira parada durante a nossa estadia e fez a gente se encantar logo de cara.

| Playa Porto Mari

Particular

Pier na praia de Porto Mari. É bom chegar cedo para garantir um lugar na areia (Foto: RoadTrio)

Para se despedir da ilha em grande estilo, passamos o dia na Porto Mari, praia favorita dos mergulhadores, devido ao seu recife duplo. Claro que esperávamos algo lindo, mas ela realmente nos surpreendeu por conseguir ser mais tranquila e bonita que outras praias que fomos durante os 11 dias que passamos em Curaçao. Assim como a Kokomo Beach, Porto Mari também tem uma plataforma no meio do mar em que você poderá mergulhar ou passar algum tempo curtindo as águas cristalinas.

A praia possui uma boa infraestrutura com estacionamento, cadeiras e guarda-sol, loja de aluguel de equipamento, banheiro com ducha (tudo por US$ 6,00 por pesso) e um delicioso restaurante.

Saiba mais em www.playaportomari.com

* Todos os preços são referentes à novembro de 2016

Sobre o autor

Em 2011, a jornalista morou na Europa, onde foi travel-writer para o Guia Criativo para O Viajante Independente na Europa. De volta ao Brasil, não quer se limitar às paredes de um escritório e fez do seu hobby uma nova profissão.

2 Respostas

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.