Texto escrito pelo leitor Emílio Caio Ferasso

Da capital portuguesa, Lisboa, se avista, lá de longe, o imponente e colorido Palácio da Pena. Se cair o olhar um pouquinho só para o lado, estará o vizinho Castelo dos Mouros. Apesar de estarmos em Lisboa, o vislumbre se derrama sobre dois entre dezenas de pontos à serem visitados na bela cidade de Sintra.

Pode ser que a proximidade com a capital portuguesa faça da bucólica Sintra um dos pontos obrigatórios para aqueles que visitam este pequeno grande país. A cidade é uma mistura bem equilibrada de história, tradição, cheiros típicos, comidas feitas só ali, montanhas, modernidade e povo simpático. Ahhh sem falar no microclima, uma zona com tamanha diversidade climática quanto cultural. Bom, vamos voltar ao foco: conhecer Sintra.

castelo

Falo aqui de uma distância curta – pouco menos do que 30 quilômetros – pela experiência que a cidade declarada patrimônio mundial pela Unesco nos proporciona. Se vai a Sintra de carro por excelentes estradas, de trem – que passa por várias localidades (uma delas descida obrigatória, mais adiante digo qual) – e de ônibus. Tudo muito fácil.

O trem é o meio de locomoção mais usual, pois as estradas são movimentadas e, com esta forma de transporte, se aprecia a vista, se vai confortável podendo absorver ao máximo a viagem curta, de pouco mais de meia hora. Apanhamos a condução em Lisboa, no centro da capital, na estação do Rossio, nos Restauradores.

Quarto do Palácio de Queluz (Foto: Emílio Caio Ferasso)

| Inúmeras atrações

Aquela tal parada obrigatória é mais ou menos, no meio do caminho, em Queluz. Nesta localidade está o famoso Palácio Nacional de Queluz, enorme e imponente, com um jardim que afirmam ser similar ao do Palácio de Versalhes. Da estação de trem se vai tranquilamente a pé, numa caminhada de poucos minutos pela vila de Queluz. Bom, quando se entra no palácio, parece que somos transportados para o passado, séculos atrás. O imponente salão do baile dos reis, os quartos de figuras famosas que a gente estudou nos livros de história, tudo está lá, conservado como era há três séculos. Pode-se aqui, entre jardim e palácio, investir umas três horas do passeio à Sintra.

Jardim do Palácio de Queluz (Foto: Emílio Caio Ferasso)

Volta-se a estação e segue-se para Sintra, onde descemos na parada final. Quando avistamos o Palácio da Pena e o Castelo dos Mouros, ainda do trem, já trememos de ansiedade. Já em terra, ande pelo centro histórico e escolha onde ir (impossível ver todas as opções que a localidade oferece em um dia, talvez nem em dois). Quando chegamos, nos deparamos com dois imponentes cones, que são “apenas” as chaminés do Palácio Nacional de Sintra, que é bastante visitado por estar localizado bem no meio do Centro Histórico. Aqui, além da cozinha enorme, o que se destaca é a amplitude das salas e dos quartos.


LEIA TAMBÉM
Conheça as melhores praias da região de Lisboa para surf
Guia de gorjetas: não se enrole na hora da conta
Sua Viagem: Lisboa é cheia de cores, amores e sabores


Castelo dos Mouros (Foto: Emílio Caio Ferasso)

Hora de decidir: Palácio Nacional da Pena – aquele todo colorido que avistamos de Lisboa – ou Castelo dos Mouros. Olha, a opção acaba por recair no Palácio, pois castelos existem outros tantos em Portugal e porque não conhecer o monumento nacional mais visitado do país? Imponente, colorido, uma explosão de estilos, o Palácio da Pena está no topo de uma montanha e tem, para além de suas próprias atrações, uma vista espetacular de tirar o fôlego.

Voltando ao centro, temos outras opções, mas uma das mais famosas é a Quinta da Regaleira, uma propriedade conhecida mais pelo seu jardim do que pela casa. Este, o jardim, é repleto de mistérios e segredos, que convidam os visitantes a andarem por trilhas embaixo da terra, descobrir lagos no meio do nada, trilhar caminhos com detalhes pensados na parte superior e culminando com a famosa torre invertida, um dos símbolos da arquitetura do país. Obrigatório.

Jardim Quinta da Regaleira (Foto: Emílio Caio Ferasso)

Indo um pouco mais adiante, nem 10 quilômetros, temos o ponto mais ocidental da Europa, o Cabo da Roca, onde dizem começar o continente europeu e lá, os imponentes paredões de pedra, com altitudes bastante significativas, fazem valer a visita. Venta bastante por lá. Se for de carro, uma parada obrigatória é o bar Moinho, uma beleza de lugar nas montanhas com vista para o Oceano.

Cabo da Roca (Foto: Emílio Caio Ferasso)

| Para colocar no roteiro

Para além destas atrações, Sintra oferece muitas outras possibilidades de passeio, basta visitar o site e escolher as que mais lhe interessam: Palácio de Monserrate (uma obra de arte), Palácio de Seteais, Mosteiro dos Capuchos entre outras atrações.

Ah, e no Centro Histórico, não deixe de saborear duas delícias, produzidas originalmente só aqui, uma delas desde os anos 1800 e a outra, mais atual, mas igualmente deliciosa: a queijada e o travesseiro, dois doces que vão lhe fazer querer mais.

Centro de Sintra (Foto: Emílio Caio Ferasso)

Quer conhecer Lisboa com um guia brasileiro apaixonado por Portugal, que conhece a cidade, sem ir aos mesmos lugares de sempre? Informe-se pelo email emiliocaio@hotmail.com

Mais informações sobre Sintra você encontra aqui, no site oficial.

Veja mais fotos de Sintra na galeria abaixo:

leitor_autor-caio-ferasso

Sobre o autor

Somos três amigos que compartilham o sonho de conhecer os quatro cantos do mundo. Da vontade de explorar diferentes lugares e da busca constante por novas experiências, surgiu o RoadTrio: um site que reúne informações, dicas e notícias do que não se pode perder por aí e é essencial para qualquer viajante.

2 Respostas

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado.